Quarta-feira, 1 de Setembro de 2010

Os Ramos da Família Romanov: Os Mikhailovich

Mikhailovich

Miguel Nikolaevich com a sua esposa Olga Feodorovna e cinco dos seus sete filhos

 

Os Mikhailovich surgiram através do casamento do filho mais novo do czar Nicolau I, o Grão-duque Miguel Nikolaevich com a Princesa Cecília de Baden, uma neta do rei Gustavo IV Adolfo da Suécia. Após o seu casamento e conversão à Igreja Ortodoxa, Cecília mudou o nome para Olga Feodorovna.

 

Ao contrário dos restantes irmãos, Miguel conseguiu fazer com que o seu casamento resultasse. Ele tinha uma personalidade branda para com a sua esposa e ambos partilhavam vários interesses, principalmente a religião que os unia profundamente. Este entendimento fez com que os Mikhailovich se tornassem no maior ramo da família imperial com o nascimento de sete filhos: seis rapazes e uma rapariga.

 

Miguel foi nomeado Governador do Cáucaso em 1862 e ficaria neste posto por vinte anos, tendo educado os seus filhos desde muito novos em Tiblisi, na Geórgia. No entanto, o afecto que Miguel demonstrava para com a sua esposa não se transmitia aos seus filhos. Todos, com excepção da sua única filha, Anastásia, foram criados com pulso de ferro, o que os tornou a quase todos extremamente conservadores e pouco preparados para a vida pecaminosa das grandes cidades.

 

Miguel e Olga

 

Filhos

Nicolau Mikhailovich

Nicolau era uma figura extremamente respeitada dentro da família imperial russa, apesar dos excessos da sua juventude. Era um historiador consagrado, tendo-se especializado no estudo da vida do seu tio-avô, o czar Alexandre I da Rússia e das pessoas que o rodeavam. Já nos seus 50 anos Nicolau começou a viver uma vida mais pecaminosa, perdendo fortunas no casino de Monte Carlo e arranjando várias amantes por entre as suas numerosas viagens à volta do mundo. Era também durante estas viagens que revelava informações importantes e secretas sobre o governo russo a alguns dos seus amigos. Acabou por não escapar à Revolução Russa. Exilado primeiro para uma pequena cidade na Sibéria de onde seria mais tarde transferido para a Fortaleza de Pedro e Paulo. Foi assassinado, juntamente com o seu irmão Jorge e os seus primos Paulo Alexandrovich e Dmitri Constantinovich no dia 29 de Janeiro de 1919. Nunca se casou nem deixou descendentes conhecidos.

 

Anastásia Mikhailovna

 

A única rapariga da família não conseguiu escapar ao escândalo que afectou alguns dos seus irmãos. Os seus irmãos viam-na como a figura maternal que nunca conseguiram encontrar na sua mãe Cecília e ficaram destroçados quando ela, em conjunto com a Grã-duquesa Maria Pavlovna, organizou o casamento da filha com o Grão-duque Frederico Francisco III de Mecklenburg-Schwerin. Embora o casamento tenha corrido bem nos primeiros tempos, a população do Grão-ducado começou a ficar ressentida com Anastásia por passar mais tempo no estrangeiro do que no local governado pelo seu marido. Frederico morreu novo, provavelmente de suícidio. Depois da sua morte, Anastásia deixou o governo nas mãos do seu filho e começou a passar ainda mais tempo afastada. A sua filha Alexandrina tornar-se-ia Rainha da Dinamarca, através do seu casamento com o Rei Cristiano X, e a sua filha Cecília casou-se com o filho mais velho do Kaiser Guilherme II.

 

Miguel Mikhailovich

 

Miguel chocou os pais e a família imperial quando se casou com uma mulher com um título muito inferior ao seu, a Condessa Sofia de Merenberg.  Na altura correu o rumor de que a sua mãe, Olga Feodorovna, morreu de ataque cardíaco quando soube da notícia, mas estes foram, mais tarde, desmentidos. Os dois tiveram uma vida calma e agradável em Londres, à semelhança de outros Grão-duques exilados por efectuarem casamentos ilegais e Miguel chegou mesmo a escrever um romance chamado “Never Say Die” sobre o seu casamento proíbido. Teve apenas autorização para regressar à Rússia em 1909 para assistir ao funeral do pai. Ao contrário de outros Grão-duques, Miguel escolheu não regressar à Rússia durante a Primeira Guerra Mundial, oferecendo a sua ajuda a partir de Londres, o que, eventualmente, lhe salvaria a vida durante a Revolução. Uma das suas filhas, Nádia, casou-se com Jorge Mountbatten, Segundo Marquês da Bruma, um sobrinho da Imperatriz Alexandra Feodorovna, de quem teve duas filhas.

 

Miguel com a sua esposa e três filhos: Anastásia, Nádia e Miguel

 

Jorge Mikhailovich

 

Jorge era o mais calmo dos seus irmãos. Prestou serviço militar como era tradição, mas devido a uma lesão na perna teve de se reformar muito novo, o que levou a que o seu primo Nicolau II o nomeasse director do recém-criado Museu Alexandre III. Na sua juventude apaixonou-se por uma Princesa, descendente da antiga família real da Geórgia, mas as regras da família Romanov impediam-no de se casar com alguém pertencente a uma família real já extinta. Foi então que conheceu a Princesa Maria da Grécia e Dinamarca, uma prima distante. Ela nunca esteve interessada no primo, mas também ela tinha sido impedida de se casar com um plebeu na sua juventude, por isso acabou por aceitar o pedido de casamento do primo. Jorge tinha já 37 anos. O casamento foi tolerável nos primeiros tempos e gerou duas filhas, Nina e Xenia. No entanto Maria usava todas as desculpas para passar longas temporadas em Londres, longe do marido e sempre acompanhada das filhas. Era lá que ela estava quando rebentou a Primeira Guerra Mundial, por isso Jorge não teve oportunidade de se despedir das filhas antes do seu assassinato em Janeiro de 1919 às mãos dos bolcheviques.

 

Jorge com a esposa Maria e a filha Nina

 

Alexandre Mikhailovich

 

Conhecido por Sandro dentro da família, Sandro era talvez o Mikhailovich mais conhecido devido ao seu casamento com a prima em segundo grau, a Grã-duquesa Xenia Alexandrovna, filha do Czar Alexandre III e, até vários anos depois do seu casamento, a irmã preferida de Nicolau II. Juntos tiveram sete filhos, mas o casamento começou a desfazer-se depois do nascimento do último. Alexandre dispensou ter qualquer influência política durante o reinado do seu cunhado por discordar das visões dele. Passou grande parte da sua vida entre o Sul de França e a Crimeia, tendo conseguido escapar à Revolução Russa por se encontrar refugiado aí. A sua filha, Irina Alexandrovna, casou-se com o Príncipe Félix Youssupov, um dos assassinos de Rasputine. Era extremamente chegado ao seu primo, o Grão-duque Paulo Alexandrovich, e o seu terceiro filho, Feodor, acabou por se casar com a filha dele, Irina Pavlovna Paley.

 

Alexandre com a esposa e cinco dos seus filhos

 

Sérgio Mikhailovich

 

Sérgio protagonizou o seu próprio escândalo quando chegou a São Petersburgo, vindo da sua educação rigorosa no Cáucaso. Desde sempre um companheiro do seu primo Nicolau II, Sérgio tinha conhecido a amante dele, Mathilde Kschenssinka. Quando Nicolau se decidiu casar com a Princesa Alice de Hesse-Darmstadt, pediu a Sérgio que tomasse conta dela, o que ele fez imediatamente. Entretanto os dois ficaram cada vez mais próximos e começaram o seu próprio caso. Mais tarde um outro primo de Sérgio, O Grão-duque André Vladimirovich, também a conheceu e também ele se apaixonou com ela, o que causou uma rivalidade entre os dois primos. Eventualmente Mathilde ficou grávida, mas não sabia qual dos dois poderia ser o pai. No fim escolheu André e os dois casaram-se em Paris. Desfeito, Sérgio nunca se casou. Foi também assassinado por bolcheviques, no dia 18 de Julho de 1918.

 

Aleksei Mikhailovich

 

Aleksei era o mais novo dos irmãos e, segundo Alexandre Mikhailovich, o mais adorado. Tinha uma mentalidade e coração liberais e sofria mais do que os seus irmãos com a indiferença que recebia dos pais. Em 1894 começou a dar os primeiros sintomas do que mais tarde se descobriu ser Tuberculose. Na altura estava quase a acabar o seu treino naval e o seu pai impediu-o de regressar a casa para se recuperar. Em 1895 a sua condição já tinha piorado drasticamente. Acabou por morrer em Março desse ano, aos 19 anos de idade. A primeira vez que vestiu o seu uniforme da marinha foi no caixão.


publicado por tuga9890 às 10:13
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 17 de Junho de 2009

Notícias - Mais Membros da Família Reabilitados

Após a reabilitação de Nicolau II e da sua família mais próxima em Setembro passado, os Tribunais russos decidiram seguir o mesmo caminho com outras seis vitimas da última familia imperial do Império Russo.

 

Desta vez os escolhidos foram as seis vítimas da chamada "Tragédia de Alapaevsk", ocurrida apenas um dia após o assassinato do Czar. Na noite de 17 para 18 de Julho de 1918, um grupo constituído principalmente por Príncipes Romanov acompanhados do Grão-duque Sérgio Mikhailovich e da Grã-duquesa Isabel Feodorovna, irmã da Imperatriz, foi levado de carro desde a escola onde tinham vivido as suas últimas semanas em Ekaterinburgo até aos bosques cercanos de Alapaevsk. Lá foram vedados e, um a um, atirados para uma mina com 20 metros de profundidade. Acabariam por morrer horas ou mesmo dias depois devido a ferimentos derivados da queda, bem como de fome e sede.

 

O tribunal decidiu reabilita-los com base no facto de que as suas mortes foram causadas devido aos seus laços familiares e não por qualquer tipo de crime cometido. Os descentes Romanov mostraram-se satisfeitos com a decisão e afirmaram que estes são os primeiros passos para a denunciação e condenação própria do regime comunista.


Os membros reabilitados foram:

 

Grã-duquesa Isabel Feodorovna

 

Grão-duque Sérgio Mikhailovich

 

Príncipe João Constantinovich

 

Príncipe Igor Constantinovich

 

Príncipe Constantino Constantinovich

 

Príncipe Vladimir Pavlovich Paley


publicado por tuga9890 às 08:39
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Terça-feira, 9 de Setembro de 2008

Curiosidades - As Vitimas da Família Imperial Russa (1ª parte)

Quando o Czar Nicolau II abdicou do trono no dia 2 de Março de 1917 estavam 53 Romanovs a residir na Rússia. Desses membros da família 18 foram presos. Entre Junho de 1918 e Janeiro de 1919 todos, com excepção do Grão-Duque Nicolau Constantinovich que morreu de causas naturais durante a sua detenção, seriam assassinados por bolcheviques em vários pontos da Rússia. Fica uma lista com dados bibliográficos das vítimas imperiais da revolução russa.

 

Revolução Russa

 

Dia 13 de Junho de 1918:
 

A primeira vítima da onda de assassinatos da família imperial após a revolução é o irmão mais novo do Czar, o Grão-Duque Miguel Alexandrovich, morto a tiro juntamente com o seu secretário perto de Perm, na região Ural. Para ler biografia clique aqui.

 

Miguel Alexandrovich, irmão mais novo do Czar

 

Dia 17 de Julho de 1918:
 

A família imperial principal é assassinada na cave da Casa Ipatiev juntamente com o médico, a dama-de-companhia, o cozinheiro e um criado. No total este dia resultou em 7 vítimas da família.

 

Nicolau II, a esposa e os 5 filhos durante as celebrações de Páscoa em Livadia

 

Dia 18 de Julho de 1918:
 

Um grupo de prisioneiros da família transferidos para Ekaterinburgo duas meses antes é atirado para uma mina com 20 metros de profundidade e, de seguida, são atiradas granadas como golpe final quando os prisioneiros começam a cantar hinos de exaltação russos. A maioria, no entanto, morreria apenas nos dias que se seguiram por ferimentos não tratados ou falta de água. Mais tarde todos foram canonizados pela Igreja Ortodoxa Russa. Os prisioneiros eram:

 

Grã-Duquesa Isabel, irmã da Czarina Alexandra. (Biografia)

 

Grão-Duque Sergei Mikhailovich

 

 

Nascido no dia 7 de Outubro de 1869, Sergei era neto do Czar Nicolau I pelo seu quarto filho, Miguel Nikolaevich. Sempre se sentiu atraído pela vida militar e ingressou em vários regimentos durante a sua adolescência e juventude. Era muito próximo do seu irmão Alexandre com quem fez uma viagem à Índia em 1891. Quando regressaram à Rússia, ambos se apaixonaram pela filha mais velha do Czar Alexandre III, Xenia Alexandrovna, mas ela acabou por escolher Alexandre para casar em 1894. Nesse mesmo ano o irmão velho de Xenia, o futuro Czar Nicolau II, teve de acabar a relação que mantinha com a bailarina Mathilde Kschessinskaya e pediu a Sergei que tomasse conta dela. O Grão-Duque aceitou a proposta e começou uma relação com a bailarina que apenas usufruía da sua posição (Sergei era presidente da associação imperial de teatro) para subir na carreira. Sergei sabia-o, mas mesmo assim continuou a ser um amigo próximo de Mathilde. Em 1900, a bailarina conheceu o Grão-Duque Andrei Vladimirovich, filho do primo de Sergei e começou uma relação com ele que causou uma relação tempestuosa entre os dois primos. Em 1902 ela teve um filho de Andrei, mas deu-lhe o nome de Sergei e foi ele que a ajudou a cuidar da criança.

 

Quando começou a Primeira Guerra Mundial, Sergei estava gravemente doente devido a uma febre reumática que contraiu durante uma viagem e à qual se seguiu uma violenta Pleurisia. Depois de 5 meses preso à cama, Sergei assumiu o seu posto como Chefe do Departamento de Artilharia do Exercito. Essa posição trouxe-lhe inúmeros rumores de corrupção e incompetência e ele teve de se demitir do cargo em 1916 para se tornar apenas Inspector de Artelharia. Durante a guerra o Grão-Duque viveu no mesmo edifício do seu primo Nicolau II e, muitas vezes, tentou convencê-lo a abandonar a guerra, mas ele recusou. As suas constantes tentativas de persuasão de Nicolau fizeram com que fosse odiado pela sua esposa Alexandra. Quando rebentou a Revolução de Fevereiro, Sergei escolheu ficar em Mogilev onde tinha lutado durante a guerra.

 

Sergei regressou a Petrogrado no inicio de Junho de 1918 e, juntamente com os restantes membros masculinos da família que ainda se encontravam na cidade, foi chamado ao posto de comando da Tcheca (policia politica do regime) onde o informaram de que estava proibido de deixar a cidade. Poucas semanas depois foi chamado novamente, desta vez para receber ordens de exílio e partiu juntamente com outros 4 membros da famíliae o secretário para a cidade de Viatka nos Montes Urais. Durante 11 dias os prisioneiros puderam deslocar-se livremente pela cidade, mas tudo acabou quando foram transferidos para Ekaterinburgo no dia 3 de Maio de 1918. Aí juntaram-se à Grã-Duquesa Isabel Feodorovna e ficaram confinados a um hotel na cidade até serem novamente transferidos novamente no dia 18 do mesmo mês para Alapayevsk onde ficaram alojados numa antiga escola. A única liberdade que tinham era passear pelas salas de aula sob a supervisão dos guardas. Sergei partilhou a sala de aula que lhe servia de quarto com o seu secretário e o Príncipe Paley, filho do Grão-Duque Paulo.

 

No dia em que foram encaminhados até à mina, Sergei foi o único que se atreveu a desobedecer e tentou lutar com os guardas que o alvejaram mortalmente e atiraram o seu cadáver para a mina. Morreu aos 48 anos de idade.

 
Príncipe João Constantinovich
 
 

Nasceu no dia 5 de Julho de 1886 e era o filho mais velho do Grão-Duque Constantino Constantinovich, neto do Czar Nicolau I pelo seu segundo filho Constantino Nikolaevich. Era um jovem sensível, gentil e muito religioso. Durante a juventude chegou a considerar tornar-se num monge ortodoxo, mas apaixonou-se pela Princesa Helena da Sérvia com quem se casou no dia 2 de Setembro de 1911. Foram um casal muito feliz e tiveram dois filhos: um rapaz, Vsevolod Ivanovich nascido em 1914, e uma rapariga chamada Catarina Ivanovna nascida em 1915. A filha de João foi o último membro da família imperial a nascer antes da queda da dinastia e viveu até ao dia 13 de Março de 2007.

 

O Principe lutou na Primeira Guerra Mundial onde foi condecorado como herói. Quando rebentou a Revolução Russa de 1917 ele estava a lutar na frente de combate. Em Abril de 1918 foi exilado e morreu com apenas 32 anos de idade.

 

Principe Constantino Constantinovich

 

 

Nasceu no dia 1 de Janeiro de 1891 e era o quarto filho do Grão-Duque Constantino Constantinovich, por isso irmão mais novo do Principe João Constantinovich.

 

O Príncipe era um rapaz calado e tímido que gostava de teatro e foi educado na “Corps dês Pages”, uma academia militar em São Petersburgo. Quando começou a Primeira Guerra Mundial tinha 23 anos e juntou-se a um dos regimentos do Czar e foi descrito como sendo muito modesto e adorado pelos seus companheiros que destacaram a sua valentia. Constantino nunca pediu a protecção a que tinha direito pelo seu título e arriscava a sua vida no campo de batalha tal como os seus companheiros.

 

Depois de ver a felicidade dos seus irmãos mais novos, João e Tatiana, Constantino também quis começar a sua própria família. Gostava da sua prima Olga (filha mais velha do Czar), mas também da Princesa Isabel da Roménia, mas nunca chegou a ter tempo de pedir nenhuma das duas em casamento. Depois de passar três anos na frente de combate foi exilado com dois dos seus irmãos e dois primos e morreu com eles aos 27 anos de idade. O seu corpo foi mais tarde enterrado no cemitério ortodoxo de Pequim que foi destruído durante a Revolução Cultural chinesa.

 

Príncipe Igor Constantinovich

 

 

Nasceu no dia 10 de Junho de 1894 e era irmão mais novo de João e Constantino Constantinovich. Tal como os irmãos, era gentil, simpático e educado que gostava de teatro e adorado por todos que o conheciam. Frequentou a mesma academia militar que os irmãos.

 

Durante a Primeira Guerra Mundial foi capitão do Regimento da Guarda Ismailovsky e foi condecorado como herói, no entanto a sua saúde era bastante frágil. Sofreu de Pleurisia e outras complicações pulmonares em 1915 e quando regressou às trincheiras não conseguia andar muito depressa e tossia sangue frequentemente.

 

Foi exilado com os irmãos e primos e morreu aos 23 anos. O seu corpo foi, mais tarde, enterrado em Pequim juntamente com o dos irmãos, no mesmo cemitério ortodoxo que foi transformado num parque.

 

Principe Vladimir Pavlovich Paley

 

 

Nasceu no dia 9 de Janeiro de 1897 e era um conhecido poeta. O seu pai era o Grão-Duque Paulo que se casou com a sua mãe sem a autorização do Czar depois de a sua primeira esposa, a Princesa Alexandra da Grécia, morrer ao dar à luz o meio-irmão de Vladimir, Dmitri que foi um dos assassinos de Rasputine e, por isso, nasceu sem qualquer título. No entanto, à medida que os pretendentes ao trono iam morrendo, o pai de Vladimir aproximava-se, por isso o Czar Nicolau II elevou-o a Conde em 1904 e, finalmente, a Príncipe em 1915.

 

Vladimir tinha dois meios-irmãos do primeiro casamento do pai (Maria Pavlovna e Dmitri Pavlovich) e três do primeiro casamento da mãe (Alexandre, Olga e Mariana von Pistohlkors). Além dos meios-irmãos tinha duas irmãs biológicas chamadas Irina e Natália Pavlovna.

 

Passou a sua infância em Paris e mais tarde frequentou a mesma academia militar dos primos Constantinovich em São Petersburgo. Lutou pelo lado russo na Primeira Guerra Mundial e foi condecorado com a Ordem de Santa Ana pelos seus esforços.

 

Desde a adolescência, Vladimir mostrou um grande talento para a poesia e publicou dois livros com os seus poemas em 1916 e em 1918 além de várias peças e ensaios. Também foi ele que traduziu a peça do Grão-Duque Constantino Constantinovich, “O Rei dos Judeus” para francês.

 

No Verão de 1917 ele e a sua família foram condenados a prisão domiciliária devido a um poema que ele tinha escrito sobre o chefe do Governo Provisório, Alexandre Kerensky. Em Março de 1918 foi preso pelos bolcheviques e enviado para exílio com os seus primos. O seu pai foi preso em São Petersburgo.

 

Vladimir morreu aos 21 anos.

 

 

 

 

 


publicado por tuga9890 às 10:00
link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito
|

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 37 seguidores

.pesquisar

 

.Dezembro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


.arquivos

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Outubro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Fevereiro 2009

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

.Fotos

Há quem diga que todos os segundos da vida dos Romanov foram documentados em fotografia. Aqui ficam alguns exemplos:

.Questionário


Get your own Poll!

.Vídeos

.tags

. todas as tags

.links

.posts recentes

. Os Ramos da Família Roman...

. Notícias - Mais Membros d...

. Curiosidades - As Vitimas...

.Visitas

web polls easy
web polls

SAPO Blogs

.subscrever feeds