Domingo, 3 de Outubro de 2010

Os Ramos da Família Romanov: Os Vladimirovich

 

Os Vladimirovich eram provavelmente o ramo mais ganancioso e conflituoso da família Romanov. O seu chefe, o Grão-duque Vladimir Alexandrovich, terceiro filho do czar Alexandre II, sonhava em tornar-se czar desde que, com apenas cinco anos de idade, descobriu que o seu avô, o czar Nicolau I, era também um terceiro filho que, por virtude do destino, tinha chegado ao trono.

 

Vladimir Alexandrovich em criança


Este conhecimento fez com que, desde cedo, Vladimir trata-se o seu irmão Alexandre como um rival, embora este nunca tivesse realmente qualquer vontade de ser czar um dia. Esta rivalidade apenas aumentou quando o irmão mais velho deles, Nicolau, morreu subitamente em 1865, tornando Alexandre no czarevich por direito divino.

 

Alexandre teve várias conversas com o seu pai onde o tentou convencer de que não seria a pessoa indicada para o trono, mas Alexandre II abominava a ideia de que a sucessão não seguisse o seu ritmo natural. Quando o futuro Alexandre III tentou fugir com a sua amante (uma dama-de-companhia da mãe), o seu pai descobriu dos planos, mas decidiu utiliza-los a seu favor. Em vez de seguir para o destino que pretendia, o barco atracou no porto de Copenhaga onde o esperava a família real dinamarquesa para o seu noivado com a Princesa Dagmar.

 

Vladimir pouco antes do seu casamento


Quis o destino que Alexandre se apaixonasse por Dagmar e que esquecesse os devaneios da juventude para abdicar dos seus direitos ao trono. Vladimir ficou furioso, ainda mais quando o primeiro filho nascido desta união foi um rapaz saudável. Vladimir nunca ultrapassaria este ressentimento e, quando mais tarde o seu sobrinho subiu ao trono como Nicolau II, tentou por todos os meios controlar o país através dele.

 

Vladimir com a sua esposa, Maria Pavlovna, e os Imperadores Nicolau II e Alexandra Feodorovna

 

Com o seu casamento Vladimir conseguiu encontrar a pessoa perfeita para rivalizar com a sua ambição: a Duquesa Maria de Mecklenburg-Schwerin. Uma bisneta da Grã-duquesa Elena Pavlovna, filha do czar Paulo I, Maria estava noiva de um outro príncipe menor, mas rompeu o noivado assim que percebeu o interesse de um Grão-duque russo em linha de sucessão directa para o trono.


Vladimir conheceu-a durante a viagem de estudo que fez por todo o mundo em 1871, mas convencer o pai a dar-lhe permissão para o casamento foi difícil, uma vez que Maria se recusava veementemente a mudar de religião, tendo sido criada como Luterana. Ao fim de três anos, no entanto, Alexandre II acabou por ceder, permitindo que os noivos se casassem em São Petersburgo, no dia 28 de Agosto de 1874 sem que Maria se convertesse.

 

Vladimir e Maria


Mesmo assim, para ser melhor vista pela Corte, Maria adoptou o nome de Maria Pavlovna de Mecklenburg, mas não pôde receber o título de Grã-duquesa da Rússia.

 

Maria Pavlovna

 

O casal tornou-se rapidamente um dos mais populares de São Petersburgo. Maria partilhava da visão do marido de que Alexandre e Maria Feodorovna deviam ser vistos como rivais, por isso ocupou-se da segunda enquanto Vladimir tratava de ofuscar o irmão politicamente.


Sempre que Maria Feodorovna dava uma festa, recepção ou oferecia chá, Maria Pavlovna arranjava sempre uma forma de a superar com uma festa mais exuberante. Embora não partilhasse da mesma beleza que a futura czarina nos seus primeiros anos, era extremamente inteligente e sentia um à-vontade natural em todas as festas em que participava e eventos de caridade que realizava. Maria Feodorovna não demorou para começar a ter uma opinião desfavorável dela e era sempre o ponto alto de todas as festas ou eventos onde as duas estivessem presentes, quando elas se encontravam para comparar tudo de bom quanto tinham, desde quem estava a usar o melhor vestido até à história mais engraçada que tivessem dos seus filhos.

 

Maria Pavlovna eventualmente construiu a sua própria corte em São Petersburgo e, para rivalizar com os palácios de Maria Feodorovna, foi uma das principais influências na decoração do Palácio de Vladimir. Além da opulência do palácio, Maria Pavlovna tinha também a mais esplendorosa colecção de jóias da Rússia, digna de inveja até de Maria Feodorovna.

 

Vladimirovich junto da família imperial russa

 


Filhos

 

Cyril Vladimirovich

 

O filho mais velho da família era um homem reservado que trocou uma carreira militar no exército por uma na marinha. Serviu na Guerra Russo-Japonesa onde quase morreu quando o navio que comandava embateu contra uma mina subaquatica japonesa. Viria a casar-se em 1905 com a sua prima direita, a Princesa Vitória Melita de Saxe-Coburgo-Gota, ex-mulher do irmão da czarina Alexandra Feodorovna com quem manteve um caso amoroso por vários anos. Como a Igreja Ortodoxa Russa não autorizava casamentos entre parentes tão próximos e este foi realizado sem a permissão do czar, Cyril foi banido da Rússia e perdeu todos os seus títulos e honras militares. A partir de então passou a residir em Coburgo, na Alemanha, onde teve as duas duas filhas mais velhas: Maria e Kira. Contudo o castigo não durou muito e em 1908, após a morte do Grão-duque Aleksei Alexandrovich, Cyril e a família regressaram a São Petersburgo. Quando a Revolução de Fevereiro de 1917 rebentou, Cyril e a esposa foram dos mais fortes apoiantes. Cyril chegou mesmo a desfilar com o seu regimento até ao Palácio de Inverno com uma banda vermelha no braço e Vitória Melita escreveu à sua irmã, a Rainha da Roménia, para lhe dizer que rezava pelo sucesso da Revolta. O objectivo era que Cyril se tornasse czar, mas quando o Governo Provisório começou a perder poder, este achou que o melhor seria refugiar-se na Finlândia onde o seu filho mais novo, Vladimir, nasceu. Mesmo apesar de não ter sido coroado czar oficialmente, Cyril fê-lo por ele próprio, auto-declarando-se Imperador de Todas as Rússias em 1922 quando se encontrava exilado na França, sem que para isso tivesse o apoio da família. A Grã-duquesa Maria Vladimirovna, actual pretendente ao trono russo é sua neta.

 

Cyril com a sua esposa Vitória, as filhas Maria e Kira e o filho Vladimir

 

Boris Vladimirovich

 

Boris era, em tudo, um dandy. Utilizava a sua posição de Grão-duque para seduzir mulheres com prendas caras, gastava o seu dinheiro nos casinos do Mónaco e gastava todo o tempo que tinha a viajar. Foi obrigado a seguir uma caarreira militar no exercito, mas não nutria qualquer amor pela vida de soldado. De facto, durante a Primeira Guerra Mundial, apesar do esforço colectivo, Boris fazia os possíveis para evitar a frente de batalha e continuava a dar grandes e luxuosas festas e jantares. Foi durante um desses jantares que ofendeu gravemente os franceses e os ingleses quando os embaixadores de ambos os países se encontravm presentes. O embaixador fez mesmo uma queixa formal ao rei Jorge V sobre o comportamento dele. Mesmo assim a sua mãe, Maria Pavlovna, disse a Nicolau II e à sua esposa que queria ver o seu filho Boris casado com a Grã-duquesa Olga Nikolaevna, algo que chocou Alexandra Feodorovna. Por sorte do destino, Boris conseguiu escapar à prisão e passou os seus restantes anos no exílio em Paris com a sua amante, vivendo uma vida levemente mais regatada.

 

André Vladimirovich

 

André foi talvez o mais recatado dos seus irmãos e, por isso, o menos conhecido. Sempre foi extremamente tímido e tinha uma relação mais próxima com a sua irmã mais nova, Elena, do que com qualquer dos irmãos mais velhos. Longe de ver isto como uma qualidade, a sua mãe via a timidez do seu filho como um impedimento, pois achava que todos os Grão-duques deviam ter uma personalidade forte. No entanto, apesar dos seus esforços, André nunca conseguiu soltar-se. No entanto, durante a sua juventude, André encontrou uma motivação para se rebeliar contra a sua mãe, depois de ser apresentado pelos seus irmãos à bailarina Matilde Kschessinskaya, a antiga amante do czar Nicolau II que na altura mantinha um relacionamento amoroso com outro Romanov, o Grão-duque Sérgio Mikhailovich. Isso não a impediu de envolver também André no seu circulo e os dois primos partilharam a mesma amante durante mais de vinte anos. No entanto, durante a guerra, Matilde escolheu finalmente André. Já em exilio, em Paris, os dois casaram-se. André foi também um dos poucos membros da família a acreditar que Anna Anderson era Anastásia.

 

Elena Vladimirovna


Elena foi a única filha da família e testemunhos da sua época dizem que ela herdou uma versão mais moderada da personalidade da sua mãe, embora essa moderação não surgisse até à sua adolescência. Quando era criança Elena chegou a ameaçar um pintor com uma faca quando perdeu a paciência ao posar para um retracto. Elena não era considerada bonita para a sua época. Chegaram a existir negociações para um noivado com o Arquiduque Francisco Fernando da Áustria que não resultaram em nada e depois o Príncipe Max de Baden rompeu o noivado que a mãe dela tinha arranjado quando já havia até fotos dos dois juntos para o casamento. Por fim Elena contraiu matrimónio com o Príncipe Nicolau da Grécia, filho do Rei Jorge I. A união foi muito feliz e resultou no nascimento de três filhas: Olga, Isabel e Marina. Olga tornou-se Princesa da Sérvia após o seu casamento com o Príncipe Paulo e Marina casou-se com o Príncipe Jorge, Duque de Kent, o filho mais novo do Rei Jorge V do Reino Unido. O actual Duque de Kent, Eduardo, é seu filho.

 

Elena com as suas filhas


publicado por tuga9890 às 09:53
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 1 de Setembro de 2010

Os Ramos da Família Romanov: Os Mikhailovich

Mikhailovich

Miguel Nikolaevich com a sua esposa Olga Feodorovna e cinco dos seus sete filhos

 

Os Mikhailovich surgiram através do casamento do filho mais novo do czar Nicolau I, o Grão-duque Miguel Nikolaevich com a Princesa Cecília de Baden, uma neta do rei Gustavo IV Adolfo da Suécia. Após o seu casamento e conversão à Igreja Ortodoxa, Cecília mudou o nome para Olga Feodorovna.

 

Ao contrário dos restantes irmãos, Miguel conseguiu fazer com que o seu casamento resultasse. Ele tinha uma personalidade branda para com a sua esposa e ambos partilhavam vários interesses, principalmente a religião que os unia profundamente. Este entendimento fez com que os Mikhailovich se tornassem no maior ramo da família imperial com o nascimento de sete filhos: seis rapazes e uma rapariga.

 

Miguel foi nomeado Governador do Cáucaso em 1862 e ficaria neste posto por vinte anos, tendo educado os seus filhos desde muito novos em Tiblisi, na Geórgia. No entanto, o afecto que Miguel demonstrava para com a sua esposa não se transmitia aos seus filhos. Todos, com excepção da sua única filha, Anastásia, foram criados com pulso de ferro, o que os tornou a quase todos extremamente conservadores e pouco preparados para a vida pecaminosa das grandes cidades.

 

Miguel e Olga

 

Filhos

Nicolau Mikhailovich

Nicolau era uma figura extremamente respeitada dentro da família imperial russa, apesar dos excessos da sua juventude. Era um historiador consagrado, tendo-se especializado no estudo da vida do seu tio-avô, o czar Alexandre I da Rússia e das pessoas que o rodeavam. Já nos seus 50 anos Nicolau começou a viver uma vida mais pecaminosa, perdendo fortunas no casino de Monte Carlo e arranjando várias amantes por entre as suas numerosas viagens à volta do mundo. Era também durante estas viagens que revelava informações importantes e secretas sobre o governo russo a alguns dos seus amigos. Acabou por não escapar à Revolução Russa. Exilado primeiro para uma pequena cidade na Sibéria de onde seria mais tarde transferido para a Fortaleza de Pedro e Paulo. Foi assassinado, juntamente com o seu irmão Jorge e os seus primos Paulo Alexandrovich e Dmitri Constantinovich no dia 29 de Janeiro de 1919. Nunca se casou nem deixou descendentes conhecidos.

 

Anastásia Mikhailovna

 

A única rapariga da família não conseguiu escapar ao escândalo que afectou alguns dos seus irmãos. Os seus irmãos viam-na como a figura maternal que nunca conseguiram encontrar na sua mãe Cecília e ficaram destroçados quando ela, em conjunto com a Grã-duquesa Maria Pavlovna, organizou o casamento da filha com o Grão-duque Frederico Francisco III de Mecklenburg-Schwerin. Embora o casamento tenha corrido bem nos primeiros tempos, a população do Grão-ducado começou a ficar ressentida com Anastásia por passar mais tempo no estrangeiro do que no local governado pelo seu marido. Frederico morreu novo, provavelmente de suícidio. Depois da sua morte, Anastásia deixou o governo nas mãos do seu filho e começou a passar ainda mais tempo afastada. A sua filha Alexandrina tornar-se-ia Rainha da Dinamarca, através do seu casamento com o Rei Cristiano X, e a sua filha Cecília casou-se com o filho mais velho do Kaiser Guilherme II.

 

Miguel Mikhailovich

 

Miguel chocou os pais e a família imperial quando se casou com uma mulher com um título muito inferior ao seu, a Condessa Sofia de Merenberg.  Na altura correu o rumor de que a sua mãe, Olga Feodorovna, morreu de ataque cardíaco quando soube da notícia, mas estes foram, mais tarde, desmentidos. Os dois tiveram uma vida calma e agradável em Londres, à semelhança de outros Grão-duques exilados por efectuarem casamentos ilegais e Miguel chegou mesmo a escrever um romance chamado “Never Say Die” sobre o seu casamento proíbido. Teve apenas autorização para regressar à Rússia em 1909 para assistir ao funeral do pai. Ao contrário de outros Grão-duques, Miguel escolheu não regressar à Rússia durante a Primeira Guerra Mundial, oferecendo a sua ajuda a partir de Londres, o que, eventualmente, lhe salvaria a vida durante a Revolução. Uma das suas filhas, Nádia, casou-se com Jorge Mountbatten, Segundo Marquês da Bruma, um sobrinho da Imperatriz Alexandra Feodorovna, de quem teve duas filhas.

 

Miguel com a sua esposa e três filhos: Anastásia, Nádia e Miguel

 

Jorge Mikhailovich

 

Jorge era o mais calmo dos seus irmãos. Prestou serviço militar como era tradição, mas devido a uma lesão na perna teve de se reformar muito novo, o que levou a que o seu primo Nicolau II o nomeasse director do recém-criado Museu Alexandre III. Na sua juventude apaixonou-se por uma Princesa, descendente da antiga família real da Geórgia, mas as regras da família Romanov impediam-no de se casar com alguém pertencente a uma família real já extinta. Foi então que conheceu a Princesa Maria da Grécia e Dinamarca, uma prima distante. Ela nunca esteve interessada no primo, mas também ela tinha sido impedida de se casar com um plebeu na sua juventude, por isso acabou por aceitar o pedido de casamento do primo. Jorge tinha já 37 anos. O casamento foi tolerável nos primeiros tempos e gerou duas filhas, Nina e Xenia. No entanto Maria usava todas as desculpas para passar longas temporadas em Londres, longe do marido e sempre acompanhada das filhas. Era lá que ela estava quando rebentou a Primeira Guerra Mundial, por isso Jorge não teve oportunidade de se despedir das filhas antes do seu assassinato em Janeiro de 1919 às mãos dos bolcheviques.

 

Jorge com a esposa Maria e a filha Nina

 

Alexandre Mikhailovich

 

Conhecido por Sandro dentro da família, Sandro era talvez o Mikhailovich mais conhecido devido ao seu casamento com a prima em segundo grau, a Grã-duquesa Xenia Alexandrovna, filha do Czar Alexandre III e, até vários anos depois do seu casamento, a irmã preferida de Nicolau II. Juntos tiveram sete filhos, mas o casamento começou a desfazer-se depois do nascimento do último. Alexandre dispensou ter qualquer influência política durante o reinado do seu cunhado por discordar das visões dele. Passou grande parte da sua vida entre o Sul de França e a Crimeia, tendo conseguido escapar à Revolução Russa por se encontrar refugiado aí. A sua filha, Irina Alexandrovna, casou-se com o Príncipe Félix Youssupov, um dos assassinos de Rasputine. Era extremamente chegado ao seu primo, o Grão-duque Paulo Alexandrovich, e o seu terceiro filho, Feodor, acabou por se casar com a filha dele, Irina Pavlovna Paley.

 

Alexandre com a esposa e cinco dos seus filhos

 

Sérgio Mikhailovich

 

Sérgio protagonizou o seu próprio escândalo quando chegou a São Petersburgo, vindo da sua educação rigorosa no Cáucaso. Desde sempre um companheiro do seu primo Nicolau II, Sérgio tinha conhecido a amante dele, Mathilde Kschenssinka. Quando Nicolau se decidiu casar com a Princesa Alice de Hesse-Darmstadt, pediu a Sérgio que tomasse conta dela, o que ele fez imediatamente. Entretanto os dois ficaram cada vez mais próximos e começaram o seu próprio caso. Mais tarde um outro primo de Sérgio, O Grão-duque André Vladimirovich, também a conheceu e também ele se apaixonou com ela, o que causou uma rivalidade entre os dois primos. Eventualmente Mathilde ficou grávida, mas não sabia qual dos dois poderia ser o pai. No fim escolheu André e os dois casaram-se em Paris. Desfeito, Sérgio nunca se casou. Foi também assassinado por bolcheviques, no dia 18 de Julho de 1918.

 

Aleksei Mikhailovich

 

Aleksei era o mais novo dos irmãos e, segundo Alexandre Mikhailovich, o mais adorado. Tinha uma mentalidade e coração liberais e sofria mais do que os seus irmãos com a indiferença que recebia dos pais. Em 1894 começou a dar os primeiros sintomas do que mais tarde se descobriu ser Tuberculose. Na altura estava quase a acabar o seu treino naval e o seu pai impediu-o de regressar a casa para se recuperar. Em 1895 a sua condição já tinha piorado drasticamente. Acabou por morrer em Março desse ano, aos 19 anos de idade. A primeira vez que vestiu o seu uniforme da marinha foi no caixão.


publicado por tuga9890 às 10:13
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 7 de Julho de 2010

Os Ramos da Família Romanov: Os Constantinovich (1ª Geração)

 

O segundo ramo mais antigo da família Romanov surgiu em 1848 aquando do casamento do Grão-duque Constantino Nikolaevich, segundo filho do czar Nicolau I, e da Princesa Alexandra de Saxe-Altenburgo, uma descendente dos reis da Prússia que, ao converter-se à Igreja Ortodoxa, passou a chamar-se Grã-duquesa Alexandra Iosifovna. Na última metade do século XIX e inicio do século XX foi sempre o ramo mais leal e chegado ao Czar, com a excepção de Alexandre III que odiava o seu tio Constantino. Os descendentes deste ramo ainda se encontram bem activos nas casas reais europeias através do casamento da Grã-duquesa Olga Constantinovna com o rei Jorge I da Grécia. O Príncipe Filipe, Duque de Edimburgo (consorte da rainha Isabel II do Reino Unido), a Rainha Sofia de Espanha e o rei Constantino II da Grécia são apenas alguns dos seus descendentes.

 

O Casal

 

Alexandra conheceu Constantino em 1846 quando ele visitou Altenburgo. Constantino passou alguns dias no castelo do pai de Alexandra. A visita tinha sido arranjada pela tia de ambos, a Grã-duquesa Elena Pavlovna, nascida Princesa Carlota de Württemberg. Tanto Elena como a mãe de Alexandra eram descendentes do Duque Frederico II Eugénio de Württemberg. Elena tinha uma influência forte sobre o seu sobrinho Constantino que admirava a tia pela sua inteligência e pensamentos modernos. Ela tinha interesses literários e musicais, sendo a responsável pela criação do Conservatório de São Petersburgo, e Constantino passava muito tempo em casa de Elena e no seu salão de festas.

 

Constantino era intelectual e liberal, enquanto que Alexandra era conservadora e muito alegre. Apesar de terem personalidades diferentes, ambos gostavam de músicas e gostavam de tocar duetos de piano juntos. Constantino sentiu-se atraído pela beleza juvenil de Alexandra, alta, magra e atraente. Rapidamente ficou apaixonado e quis casar com ela:

 

"Não sei o que me está a acontecer. É como se fosse uma pessoa completamente nova. Há apenas um pensamento que me conduz e uma imagem que me enche os olhos: para sempre e só ela, o meu anjo, o meu universo. Penso que estou realmente apaixonado. Contudo, o que pode isso significar? Só a conheço há algumas horas e já estou cheio de paixão."

 

Ela tinha apenas dezasseis anos e Constantino dezanove. Ficaram noivos, mas tiveram de esperar mais dois anos antes de se casarem.

 

Alexandra de Saxe-Altenburgo


Alexandra chegou à Rússia no dia 12 de Outubro de 1847 e foi recebida com muita pompa e celebração popular, tendo multidões jubilosas a saudá-la nas ruas e varandas. Diz-se que Alexandra se parecia tanto com a sua cunhada, a Grã-duquesa Alexandra Nikolaevna, que tinha morrido ao dar à luz, que a sua futura sogra, a Imperatriz Alexandra Feodorovna, se desfez em lágrimas quando a viu pela primeira vez.

 

Em Fevereiro de 1848 Alexandra converteu-se à Igreja Ortodoxa, tomando o nome de Grã-duquesa Alexandra Iosifovna, derivado do nome do seu pai, José, ao contrário de outras Grã-duquesas da família que tinham preferido um nome em honra de figuras religiosas ou dinásticas.

 

Alexandra e Constantino casaram-se no Palácio de Inverno em São Petersburgo, no dia 11 de Setembro de 1848. Constantino recebeu o Palácio de Mármore como presente de casamento dos seus pais. Strelna, uma casa no Golfo da Finlândia que Constantino tinha herdado aos quatro anos de idade, passou a ser a casa de campo do casal. A vivaz Grã-duquesa gostou muito dos jardins de Strelna e criou uma escola gratuita de jardinagem onde ela própria ensinava. Havia também brinquedos educacionais para crianças, um mastro de madeira e um trampolim para ginástica e uma cabina abandonada de uma das fragatas de Constantino.

 

Alexandra Iosifovna

 

Um ano depois do casamento, Constantino herdou o palácio de Pavlovsk do seu tio, o Grão-duque Miguel Pavlovich. Os jardins do palácio eram abertos ao público. O casal construiu uma sala de concertos no palácio que se tornou muito popular entre as classes médias e recebeu concertos de figuras como Johann Strauss II, Franz Liszt e Hector Berlioz.

 

Mais tarde o casal comprou o palácio de Oreanda, na Crimeia, que tinha sido construído pela czarina Alexandra Feodorovna.

 

Constantino e Alexandra com a fila Olga, futura rainha da Grécia

 

Em 1867, a filha mais velha de Alexandra, Olga, casou-se com o rei Jorge I da Grécia. Ela tinha apenas dezasseis anos e Constantino foi contra o casamento no principio por a sua filha ser ainda tão nova. Em Julho de 1867 nasceu o primeiro neto do casal e recebeu o nome de Constantino em honra do avô. O inicio do declínio do casamento começou por esta altura.

 

Apesar de ter apenas quarenta anos, as lutas de Constantino e as dificuldades pelas quais tinha passado nessa década (as reformas navais e judiciais, a emancipação dos servos), tinham-no feito envelhecer prematuramente. Quando o seu irmão, o czar Alexandre II, começou a distanciar-se dos anos de reforma do seu reino, a influência de Constantino na corte começou a esmorecer e então ele começou a dedicar-se mais à sua vida privada. Após vinte anos de casamento, ele tinha-se afastado da sua esposa. A grande quantidade de trabalho de Constantino e as visões políticas conflituosas do casal tinham desfeito lentamente a sua relação. Alexandra era tão conservadora como o seu marido era liberal e ela tinha aprendido a preocupar-se mais com o seu círculo e com o misticismo. Não demorou muito até o Grão-duque começar a procurar atenção feminina noutro lado.

 

Constanino Nikolaevich

 

Constantino morreu subitamente de ataque cardíaco no dia 13 de Janeiro de 1892, quando tinha 64 anos, deixando vários filhos ilegitimos e a sua esposa humilhada. Alexandra, por outro lado, tornou-se numa das figuras mais adoradas da Corte Russa e na Grécia onde passava longas temporadas junto da filha. Sobreviveu o marido por quase vinte anos, morrendo a 6 de Julho de 1911, aos 80 anos de idade.

 

Alexandra nos seus últimos anos com a filha Olga e o filho Constantino

 

Filhos

 

Grão-duque Nicolau Constantinovich

 

Nascido no dia 14 de Janeiro de 1850, foi o filho mais velho do casal. Ao contrário da maioria das crianças da época, teve uma infância muito independente, sem amas nem responsabilidades. Eventualmente tornou-se num grande sedutor, mantendo um grande número de casos. Um deles, com uma americana chamada Fanny Lear foi-lhe fatal. Ela conseguiu influenciá-lo a roubar três diamantes de um icone da sua mãe. Este acto fez com que ele fosse considerado louco e então foi banido para o interior russo, na zona do que é hoje o Uzbequistão. Graças à sua fotuna pessoal desenvolveu grandemente a região chegando até a construir o seu próprio palácio. Morreu em 1918 de Pneumonia deixando um grande número de filhos de várias mulheres.

 

Rainha Olga da Grécia

 

Nascida a 3 de Setembro de 1851, Olga tornou-se a mais conhecida dos seus irmãos ao casar-se com o rei Jorge I da Grécia, antigo príncipe da Dinamarca, tornando-se assim rainha. Foi uma rainha popular no seu país, contribuindo principalmente para a caridade e para a religião. Causou controvérsia entre os mais conservadores por querer traduzir a bíblia para grego moderno e foi ainda regente do seu filho Constantino após a morte do seu neto Alexandre I da Grécia.

 

Grã-duquesa Vera Constantinovna

 

Nascida a 3 de Fevereiro de 1854, Vera teve uma infância turbulenta. Era dada a ataques de fúria e raiva de tal ordem que os seus pais decidiram enviá-la para a Alemanha para ser criada pela sua tia, a Grã-duquesa Olga Nikolaevna, Rainha de Wuttenberg. Eventualmente ela conseguiu ultrapassá-los e casou-se com um duque do seu estado adoptivo. Embora ele tenha morrido cedo, Vera teve três filhos dele: um rapaz que morreu na infância e duas gémeas cujos descendentes vivem até aos dias de hoje.

 

Grão-duque Constantino Constantinovich


 

Nascido a 22 de Agosto de 1858, foi um distinto poeta e dramaturgo, assinando todas as suas obras com KR. Casou-se com uma princesa alemã de quem teve nove filhos, mas nunca escondeu as suas tendências homossexuais, eternizadas nos seus famosos diários. Foi o pai da segunda geração dos Constantinovich.

 

Grão-duque Dmitri Constantinovich


Biografia

 

Grão-duque Vyacheslav Constantinovich


 

O filho mais novo da família teve uma vida curta. Morreu subitamente aos dezasseis anos de idade devido a uma inflamação no cérebro. Na véspera da sua morte, a sua mãe afirmou ter visto um anjo que mais tarde identificou como um presságio da morte do filho.


publicado por tuga9890 às 13:30
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 28 de Junho de 2010

Os Ramos da Família Romanov: Os Leuchtenberg

Maria Nikolaevna com os filhos

Grã-duquesa Maria Nikolaevna com os seus filhos

 

Este ramo originou-se em 1839, aquando do casamento da Grã-duquesa Maria Nikolaevna, filha mais velha do czar Nicolau I, com o Príncipe Maximiano, Terceiro Duque de Leuchtenberg. Ao contrário de outros casamentos da época, este realizou-se por amor, mas trouxe consigo uma série de condições devido à posição do noivo ser mais baixa do que a da noiva. A primeira, e mais importante, foi a de que Maximiano se mudaria para São Petersburgo, uma vez que Nicolau I nunca permitiria que a sua filha saísse de perto de si. Maximiliano, dono de um ducado sem importância e, segundo relatos da época, extremamente apaixonado pela sua noiva, cedeu sem dificuldade.

 

Assim, pela primeira vez desde o casamento de Miguel Pavlovich com a Princesa Carlota de Württemberg, uma família paralela à do Imperador, crescia na Rússia Imperial.

 

O Casal


 

Maria conheceu o seu futuro marido quando este se encontrava em São Petersburgo para manobras militares em 1837. Um ano mais tarde, quando regressou, os dois apaixonaram-se. "Tornou-se bastante claro nos últimos quatro dias que o Max e a Maria foram feitos um para o outro!", escreveu a sua irmã Olga.

 

A união não era de todo desejável. Maximiano era apenas um Duque menor, pertencente à casa da Baviera, um título muito abaixo do de Maria, além disso era também católico e um familiar directo de Napoleão Bonaparte (o seu pai, Eugénio, era filho da Imperatriz Josefina), cujas memórias de guerra ainda estavam bem vivas nas memórias russas. Apesar de tudo a maior indignação veio por parte da mãe de Maximiano, a Princesa Augusta da Baviera, que mais tarde se recusaria a estar presente na união.

 

Apesar de todas as entraves, a cerimónia realizou-se no dia 2 de Julho de 1839, o mesmo dia em que o pai de Maria a presenteou com o seu próprio palácio: o Mariinsky, construído nas margens do rio Neva.

 

O Palácio Mariinsky, a casa de Maria e Maximiliano em São Petersburgo

 

Nos 12 anos que se seguiram, o casal teve sete filhos. Maximiano tornou-se um cientista de renome e Maria uma coleccionadora ávida de arte. O seu prestígio levou a que ele fosse nomeado Presidente da Academia das Artes de São Petersburgo em 1843. Após a morte do marido em 1852, Maria herdou a sua posição.

 

Grã-duquesa Maria Nikolaevna

 

Em 1854, Maria casou-se pela segunda vez, desta vez com o Conde Gregório Stroganov, uma união que gerou dois filhos.

 

Filhos

 

 

Princesa Maria von Leuchtenberg


 

Nascida no dia 16 de Outubro de 1841 em São Petersburgo. Casou-se com o Príncipe Luís Guilherme de Baden, filho de Leopoldo I de Baden e da Princesa Sofia Guilhermina da Suécia, no dia 11 de Fevereiro de 1863 em São Petersburgo. Morreu no dia 16 de Fevereiro de 1914 aos 72 anos. Os seus filhos foram:

 

  • Princesa Maria de Baden (1865 – 1939)
  • Príncipe Maximiano Alexandre Frederico Guilherme de Baden (1867 – 1929)

 

Nicolau, 4º Duque de Leuchtenberg

Nascido no dia 4 de Agosto de 1843 em Sergeievskoie. Casou-se com Nadezhda Annenkova em Outubro de 1868. Morreu no dia 6 de Janeiro de 1891, aos 47 anos, em Paris, França. Abdicou do seu título de Duque de Leuchtenberg para se casar com uma plebeia, passando a partir de então a ser um Príncipe Romanovsky. Os seus filhos foram:


  • Nicolau von Leuchtenberg (1868 – 1928)
  • Jorge von Leuchtenberg (1872 – 1929)

 

Eugénia von Leuchtenberg

 

 

Nascida no dia 1 de Abril de 1845 em São Petersburgo. Casou-se com o Duque Alexandre Frederico de Oldenburgo, filho do Duque Constantino de Oldenburgo e da Princesa Teresa de Nassau-Weilburg, no dia 19 de Janeiro de 1868 em São Petersburgo. Morreu no dia 4 de Maio de 1925, aos 80 anos, em Biarritz, na França.


Teve apenas um filho, Pedro de Oldenburgo (1868 – 1924), que se casou com a Grã-duquesa Olga Alexandrovna da Rússia.


 

Eugénio, 5º Duque de Leuchtenberg


 

Nascido no dia 8 de Fevereiro de 1847 em São Petersburgo. Casou-se primeiro com Daria Opotchinina, no dia 20 de Janeiro de 1869, perdendo o título de Duque de Leuchtenberg. Casou-se em segundo lugar com Zinaida Skobeleva no dia 14 de Julho de 1878 em Peterhof. Morreu no dia 31 de Agosto de 1901 aos 54 anos. A sua única filha, Daria von Leuchtenburg, nascida em 1870 do seu primeiro casamento, foi executada pelos bolcheviques em 1930, acusa de estar envolvida com um grupo terrorista alemão.

 

Sergei, 6º Duque de Leuchtenberg


 

Nascido no dia 20 de Dezembro de 1849 em São Petersburgo. Foi morto no dia 24 de Outubro de 1877 durante a Guerra Russo-Turca. Sem descentes.

 

Jorge, 6º Duque de Leuchtenberg

 

Nascido no dia 29 de Fevereiro de 1852 em São Petersburgo. Casou-se com a Duquesa Teresa de Oldenburgo, filha do Duque Constantino de Oldenburgo e da Princesa Teresa de Nassau-Weilburg, no dia 12 de Maio de 1879. Casou-se em segundo lugar com a Princesa Anastásia de Montenegro de quem se divorciou em 1906. Ela acabaria por se casar com o seu primo, o Grão-duque Nicolau Nikolaevich Jr, com quem manteve um caso enquanto estava ainda casada.

 

Do primeiro casamento teve um filho, Alexandre, 7º Duque de Leuchtenberg (1881 – 1942) e do segundo dois, Sergei (1890 – 1974) e Elena (1892 – 1971).

 

Grã-duquesa Maria Nikolaevna com o filho Jorge


publicado por tuga9890 às 12:05
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


.arquivos

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Outubro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Fevereiro 2009

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

.Fotos

Há quem diga que todos os segundos da vida dos Romanov foram documentados em fotografia. Aqui ficam alguns exemplos:

.Questionário


Get your own Poll!

.Vídeos

.tags

. todas as tags

.links

.posts recentes

. Os Ramos da Família Roman...

. Os Ramos da Família Roman...

. Os Ramos da Família Roman...

. Os Ramos da Família Roman...

.Visitas

web polls easy
web polls

blogs SAPO

.subscrever feeds