Domingo, 18 de Julho de 2010

Os Ramos da Família Romanov: Os Constantinovich (2ª Geração)

 

A segunda geração de Constantinovich a viver na Rússia cresceu a partir do segundo filho do Grão-duque Constantino Nikolaevich, o Grão-duque Constantino Constantinovich, o único varão a casar-se oficialmente. A sua noiva, a Princesa Isabel de Saxe-Altenburgo, era sua prima em segundo-grau, visto que o pai dela e a mãe dele eram primos directos. Da sua união nasceram nove crianças cujos descendentes vivem até hoje.

 

O casal


 

Em 1882, quando Isabel tinha 16 anos, os dois conheceram-se em São Petersburgo e houve imediatamente conversas de casamento. Contudo, apesar de ela dizer que já estava pronta para casar, Constantino de 24 anos ainda estava hesitante. Quando ela se foi embora, ele prometeu que lhe ia escrever, mas nunca o fez uma vez que era extremamente tímido. Mesmo assim escreveu vários poemas sobre ela. Em 1884 Isabel visitou a Rússia novamente e o casamento foi anunciado. Isabel quis manter a sua fé luterana, algo que deixou Constantino desiludido sendo um grande crente na fé ortodoxa. Pior ainda foi o facto de ela se recusar a beijar a cruz ortodoxa durante a missa.

 

No dia de casamento, que ocorreu no dia 27 de Abril de 1884, Isabel escreveu ao seu novo marido para o descansar, dizendo: Prometo que nunca vou fazer nada para te enfurecer nem magoar por causa das nossas religiões divididas… só posso dizer-te mais uma vez o quanto te amo.”

 

O casamento foi um sucesso, embora Constantino tenha mantido vários amantes masculinos durante toda a união. O casal teve nove filhos, seis dos quais viriam a morrer antes de Isabel.

 

Filhos


 

João Constantinovich


Biografia

 

Gabriel Constantinovich

 

Gabriel era o mais social dos seus irmãos. Começou a participar em festas bastante novo, mas nunca foi tão mulherengo como os seus primos Romanov devido à sua educação religiosa conservadora. A única mulher que o cativou foi a bailarina Antónia Nesterovskaya que manteve como amante durante longos anos. No entanto nunca se atreveu a casar com ela devido às regras da Casa Romanov que lhe permitiam apenas casar com Princesas de casas reinantes. A única tentativa nesse sentido surgiu quando a sua tia, a rainha Olga da Grécia intercedeu em seu favor junto do czar Nicolau II, mas este recusou a união. Era também um brilhante militar, ingressando na cavalaria do exercito imperial. Combateu durante a Primeira Guerra Mundial até a queda de Nicolau II. Foi só com a queda da monarquia que Gabriel se casou, em segredo, no dia 9 de Abril de 1917. Quando o governo bolchevique convocou os Grão-duques a apresentarem-se na sede da Tcheca, Gabriel conseguiu escapar a principio devido à sua fraca saúde, mas seria mais tarde preso juntamente com o seu tio Dmitri Constantinovich. Apenas conseguiu escapar à execução devido à intervenção da sua esposa que tinha um amigo chegado a Lenine. Gabriel fugiu então para a França em Janeiro de 1919 e lá ficaria exilado o resto da sua vida, escrevendo as suas memórias na tentativa de ganhar dinheiro durante a Grande Depressão.

 

Tatiana Constantinovna

 

Tatiana foi uma figura progressista na Rússia Imperial devido ao seu casamento morganatico (aos olhos da lei) com o Príncipe Constantino Bagration-Mukhransky, um descendente dos antigos reis da Georgia. O casamento foi o primeiro a receber permissão do czar Nicolau II com o argumento de que, tal como a Casa de Orléans, os Bagration-Mukhransky eram uma dinastia que tinha já governado. Infelizmente o seu marido foi morto durante a Primeira Guerra Mundial e Tatiana acabou por fugir da Rússia mais tarde, afirmando que os seus dois filhos eram da ama. Na altura Tatiana tinha já um novo homem,  Alexander Korochenzov, e os dois fugiram juntos primeiro para a Roménia e depois para a Suíça onde se casaram em 1921. Quando o seu segundo marido morreu, Tatiana tornou-se freira e morreu em Jerusalém em 1979.

 

Constantino Constantinovich

Biografia

 

Oleg Constantinovich

 

Considerado o mais inteligente e cultural dos seus irmãos, Oleg é muitas vezes referido como o favorito dos seus pais. Era ele próprio um poeta e estudou nas melhores escolas do Império. Antes da Guerra tinha planeado casar com a sua prima, a Princesa Nádia Petrovna. Contudo todos os seus planos para o futuro foram destruídos com a Primeira Guerra Mundial onde foi morto em combate. As suas últimas palavras foram: “Estou tão feliz. Vou poder encorajar as tropas russas fazendo-as saber que a família imperial não tem medo de perder o seu próprio sangue.”

 

Igor Constantinovich

Biografia

 

Jorge Constantinovich

Por ser ainda muito novo quando rebentou a Revolução Russa, Jorge recebeu autorização juntamente com a sua mãe e irmã mais nova, Vera, para sair da Rússia pacificamente. Daí a família mudou-se para a Suécia onde viveu alguns anos até a vida se tornar demasiado cara. Depois da morte da mãe, Jorge e Vera mudaram-se para a Bélgica a convite do rei Alberto I e depois para a Suíça. Eventualmente Jorge viajou para os Estados Unidos onde passou o resto da sua vida, tornando-se um designer de interiores bastante conhecido.

 

Vera Constantinovna


 

Em 2001, Vera era a última sobrevivente do Império Russo que ainda se lembrava dele. Tinha abandonado o seu país natal aos 12 anos de idade, mas os eventos da revolução perseguiram-na até ao fim da sua vida. Quando era apenas uma criança assistiu à morte do pai, devido a um ataque cardíaco, sendo a única pessoa presente para chamar ajuda. Viveu em vários lugares, assentando durante vários anos em Altenburgo, na Alemanha, a terra natal da sua mãe. Saiu de lá quando rebentou a Segunda Guerra Mundial, fugindo a pé das tropas soviéticas. Depois viveu nos Estados Unidos, trabalhando na Fundação Tolstoy. Morreu aos 96 anos de idade.


publicado por tuga9890 às 10:21
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 7 de Julho de 2010

Os Ramos da Família Romanov: Os Constantinovich (1ª Geração)

 

O segundo ramo mais antigo da família Romanov surgiu em 1848 aquando do casamento do Grão-duque Constantino Nikolaevich, segundo filho do czar Nicolau I, e da Princesa Alexandra de Saxe-Altenburgo, uma descendente dos reis da Prússia que, ao converter-se à Igreja Ortodoxa, passou a chamar-se Grã-duquesa Alexandra Iosifovna. Na última metade do século XIX e inicio do século XX foi sempre o ramo mais leal e chegado ao Czar, com a excepção de Alexandre III que odiava o seu tio Constantino. Os descendentes deste ramo ainda se encontram bem activos nas casas reais europeias através do casamento da Grã-duquesa Olga Constantinovna com o rei Jorge I da Grécia. O Príncipe Filipe, Duque de Edimburgo (consorte da rainha Isabel II do Reino Unido), a Rainha Sofia de Espanha e o rei Constantino II da Grécia são apenas alguns dos seus descendentes.

 

O Casal

 

Alexandra conheceu Constantino em 1846 quando ele visitou Altenburgo. Constantino passou alguns dias no castelo do pai de Alexandra. A visita tinha sido arranjada pela tia de ambos, a Grã-duquesa Elena Pavlovna, nascida Princesa Carlota de Württemberg. Tanto Elena como a mãe de Alexandra eram descendentes do Duque Frederico II Eugénio de Württemberg. Elena tinha uma influência forte sobre o seu sobrinho Constantino que admirava a tia pela sua inteligência e pensamentos modernos. Ela tinha interesses literários e musicais, sendo a responsável pela criação do Conservatório de São Petersburgo, e Constantino passava muito tempo em casa de Elena e no seu salão de festas.

 

Constantino era intelectual e liberal, enquanto que Alexandra era conservadora e muito alegre. Apesar de terem personalidades diferentes, ambos gostavam de músicas e gostavam de tocar duetos de piano juntos. Constantino sentiu-se atraído pela beleza juvenil de Alexandra, alta, magra e atraente. Rapidamente ficou apaixonado e quis casar com ela:

 

"Não sei o que me está a acontecer. É como se fosse uma pessoa completamente nova. Há apenas um pensamento que me conduz e uma imagem que me enche os olhos: para sempre e só ela, o meu anjo, o meu universo. Penso que estou realmente apaixonado. Contudo, o que pode isso significar? Só a conheço há algumas horas e já estou cheio de paixão."

 

Ela tinha apenas dezasseis anos e Constantino dezanove. Ficaram noivos, mas tiveram de esperar mais dois anos antes de se casarem.

 

Alexandra de Saxe-Altenburgo


Alexandra chegou à Rússia no dia 12 de Outubro de 1847 e foi recebida com muita pompa e celebração popular, tendo multidões jubilosas a saudá-la nas ruas e varandas. Diz-se que Alexandra se parecia tanto com a sua cunhada, a Grã-duquesa Alexandra Nikolaevna, que tinha morrido ao dar à luz, que a sua futura sogra, a Imperatriz Alexandra Feodorovna, se desfez em lágrimas quando a viu pela primeira vez.

 

Em Fevereiro de 1848 Alexandra converteu-se à Igreja Ortodoxa, tomando o nome de Grã-duquesa Alexandra Iosifovna, derivado do nome do seu pai, José, ao contrário de outras Grã-duquesas da família que tinham preferido um nome em honra de figuras religiosas ou dinásticas.

 

Alexandra e Constantino casaram-se no Palácio de Inverno em São Petersburgo, no dia 11 de Setembro de 1848. Constantino recebeu o Palácio de Mármore como presente de casamento dos seus pais. Strelna, uma casa no Golfo da Finlândia que Constantino tinha herdado aos quatro anos de idade, passou a ser a casa de campo do casal. A vivaz Grã-duquesa gostou muito dos jardins de Strelna e criou uma escola gratuita de jardinagem onde ela própria ensinava. Havia também brinquedos educacionais para crianças, um mastro de madeira e um trampolim para ginástica e uma cabina abandonada de uma das fragatas de Constantino.

 

Alexandra Iosifovna

 

Um ano depois do casamento, Constantino herdou o palácio de Pavlovsk do seu tio, o Grão-duque Miguel Pavlovich. Os jardins do palácio eram abertos ao público. O casal construiu uma sala de concertos no palácio que se tornou muito popular entre as classes médias e recebeu concertos de figuras como Johann Strauss II, Franz Liszt e Hector Berlioz.

 

Mais tarde o casal comprou o palácio de Oreanda, na Crimeia, que tinha sido construído pela czarina Alexandra Feodorovna.

 

Constantino e Alexandra com a fila Olga, futura rainha da Grécia

 

Em 1867, a filha mais velha de Alexandra, Olga, casou-se com o rei Jorge I da Grécia. Ela tinha apenas dezasseis anos e Constantino foi contra o casamento no principio por a sua filha ser ainda tão nova. Em Julho de 1867 nasceu o primeiro neto do casal e recebeu o nome de Constantino em honra do avô. O inicio do declínio do casamento começou por esta altura.

 

Apesar de ter apenas quarenta anos, as lutas de Constantino e as dificuldades pelas quais tinha passado nessa década (as reformas navais e judiciais, a emancipação dos servos), tinham-no feito envelhecer prematuramente. Quando o seu irmão, o czar Alexandre II, começou a distanciar-se dos anos de reforma do seu reino, a influência de Constantino na corte começou a esmorecer e então ele começou a dedicar-se mais à sua vida privada. Após vinte anos de casamento, ele tinha-se afastado da sua esposa. A grande quantidade de trabalho de Constantino e as visões políticas conflituosas do casal tinham desfeito lentamente a sua relação. Alexandra era tão conservadora como o seu marido era liberal e ela tinha aprendido a preocupar-se mais com o seu círculo e com o misticismo. Não demorou muito até o Grão-duque começar a procurar atenção feminina noutro lado.

 

Constanino Nikolaevich

 

Constantino morreu subitamente de ataque cardíaco no dia 13 de Janeiro de 1892, quando tinha 64 anos, deixando vários filhos ilegitimos e a sua esposa humilhada. Alexandra, por outro lado, tornou-se numa das figuras mais adoradas da Corte Russa e na Grécia onde passava longas temporadas junto da filha. Sobreviveu o marido por quase vinte anos, morrendo a 6 de Julho de 1911, aos 80 anos de idade.

 

Alexandra nos seus últimos anos com a filha Olga e o filho Constantino

 

Filhos

 

Grão-duque Nicolau Constantinovich

 

Nascido no dia 14 de Janeiro de 1850, foi o filho mais velho do casal. Ao contrário da maioria das crianças da época, teve uma infância muito independente, sem amas nem responsabilidades. Eventualmente tornou-se num grande sedutor, mantendo um grande número de casos. Um deles, com uma americana chamada Fanny Lear foi-lhe fatal. Ela conseguiu influenciá-lo a roubar três diamantes de um icone da sua mãe. Este acto fez com que ele fosse considerado louco e então foi banido para o interior russo, na zona do que é hoje o Uzbequistão. Graças à sua fotuna pessoal desenvolveu grandemente a região chegando até a construir o seu próprio palácio. Morreu em 1918 de Pneumonia deixando um grande número de filhos de várias mulheres.

 

Rainha Olga da Grécia

 

Nascida a 3 de Setembro de 1851, Olga tornou-se a mais conhecida dos seus irmãos ao casar-se com o rei Jorge I da Grécia, antigo príncipe da Dinamarca, tornando-se assim rainha. Foi uma rainha popular no seu país, contribuindo principalmente para a caridade e para a religião. Causou controvérsia entre os mais conservadores por querer traduzir a bíblia para grego moderno e foi ainda regente do seu filho Constantino após a morte do seu neto Alexandre I da Grécia.

 

Grã-duquesa Vera Constantinovna

 

Nascida a 3 de Fevereiro de 1854, Vera teve uma infância turbulenta. Era dada a ataques de fúria e raiva de tal ordem que os seus pais decidiram enviá-la para a Alemanha para ser criada pela sua tia, a Grã-duquesa Olga Nikolaevna, Rainha de Wuttenberg. Eventualmente ela conseguiu ultrapassá-los e casou-se com um duque do seu estado adoptivo. Embora ele tenha morrido cedo, Vera teve três filhos dele: um rapaz que morreu na infância e duas gémeas cujos descendentes vivem até aos dias de hoje.

 

Grão-duque Constantino Constantinovich


 

Nascido a 22 de Agosto de 1858, foi um distinto poeta e dramaturgo, assinando todas as suas obras com KR. Casou-se com uma princesa alemã de quem teve nove filhos, mas nunca escondeu as suas tendências homossexuais, eternizadas nos seus famosos diários. Foi o pai da segunda geração dos Constantinovich.

 

Grão-duque Dmitri Constantinovich


Biografia

 

Grão-duque Vyacheslav Constantinovich


 

O filho mais novo da família teve uma vida curta. Morreu subitamente aos dezasseis anos de idade devido a uma inflamação no cérebro. Na véspera da sua morte, a sua mãe afirmou ter visto um anjo que mais tarde identificou como um presságio da morte do filho.


publicado por tuga9890 às 13:30
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 17 de Junho de 2009

Notícias - Mais Membros da Família Reabilitados

Após a reabilitação de Nicolau II e da sua família mais próxima em Setembro passado, os Tribunais russos decidiram seguir o mesmo caminho com outras seis vitimas da última familia imperial do Império Russo.

 

Desta vez os escolhidos foram as seis vítimas da chamada "Tragédia de Alapaevsk", ocurrida apenas um dia após o assassinato do Czar. Na noite de 17 para 18 de Julho de 1918, um grupo constituído principalmente por Príncipes Romanov acompanhados do Grão-duque Sérgio Mikhailovich e da Grã-duquesa Isabel Feodorovna, irmã da Imperatriz, foi levado de carro desde a escola onde tinham vivido as suas últimas semanas em Ekaterinburgo até aos bosques cercanos de Alapaevsk. Lá foram vedados e, um a um, atirados para uma mina com 20 metros de profundidade. Acabariam por morrer horas ou mesmo dias depois devido a ferimentos derivados da queda, bem como de fome e sede.

 

O tribunal decidiu reabilita-los com base no facto de que as suas mortes foram causadas devido aos seus laços familiares e não por qualquer tipo de crime cometido. Os descentes Romanov mostraram-se satisfeitos com a decisão e afirmaram que estes são os primeiros passos para a denunciação e condenação própria do regime comunista.


Os membros reabilitados foram:

 

Grã-duquesa Isabel Feodorovna

 

Grão-duque Sérgio Mikhailovich

 

Príncipe João Constantinovich

 

Príncipe Igor Constantinovich

 

Príncipe Constantino Constantinovich

 

Príncipe Vladimir Pavlovich Paley


publicado por tuga9890 às 08:39
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Terça-feira, 9 de Setembro de 2008

Curiosidades - As Vitimas da Família Imperial Russa (1ª parte)

Quando o Czar Nicolau II abdicou do trono no dia 2 de Março de 1917 estavam 53 Romanovs a residir na Rússia. Desses membros da família 18 foram presos. Entre Junho de 1918 e Janeiro de 1919 todos, com excepção do Grão-Duque Nicolau Constantinovich que morreu de causas naturais durante a sua detenção, seriam assassinados por bolcheviques em vários pontos da Rússia. Fica uma lista com dados bibliográficos das vítimas imperiais da revolução russa.

 

Revolução Russa

 

Dia 13 de Junho de 1918:
 

A primeira vítima da onda de assassinatos da família imperial após a revolução é o irmão mais novo do Czar, o Grão-Duque Miguel Alexandrovich, morto a tiro juntamente com o seu secretário perto de Perm, na região Ural. Para ler biografia clique aqui.

 

Miguel Alexandrovich, irmão mais novo do Czar

 

Dia 17 de Julho de 1918:
 

A família imperial principal é assassinada na cave da Casa Ipatiev juntamente com o médico, a dama-de-companhia, o cozinheiro e um criado. No total este dia resultou em 7 vítimas da família.

 

Nicolau II, a esposa e os 5 filhos durante as celebrações de Páscoa em Livadia

 

Dia 18 de Julho de 1918:
 

Um grupo de prisioneiros da família transferidos para Ekaterinburgo duas meses antes é atirado para uma mina com 20 metros de profundidade e, de seguida, são atiradas granadas como golpe final quando os prisioneiros começam a cantar hinos de exaltação russos. A maioria, no entanto, morreria apenas nos dias que se seguiram por ferimentos não tratados ou falta de água. Mais tarde todos foram canonizados pela Igreja Ortodoxa Russa. Os prisioneiros eram:

 

Grã-Duquesa Isabel, irmã da Czarina Alexandra. (Biografia)

 

Grão-Duque Sergei Mikhailovich

 

 

Nascido no dia 7 de Outubro de 1869, Sergei era neto do Czar Nicolau I pelo seu quarto filho, Miguel Nikolaevich. Sempre se sentiu atraído pela vida militar e ingressou em vários regimentos durante a sua adolescência e juventude. Era muito próximo do seu irmão Alexandre com quem fez uma viagem à Índia em 1891. Quando regressaram à Rússia, ambos se apaixonaram pela filha mais velha do Czar Alexandre III, Xenia Alexandrovna, mas ela acabou por escolher Alexandre para casar em 1894. Nesse mesmo ano o irmão velho de Xenia, o futuro Czar Nicolau II, teve de acabar a relação que mantinha com a bailarina Mathilde Kschessinskaya e pediu a Sergei que tomasse conta dela. O Grão-Duque aceitou a proposta e começou uma relação com a bailarina que apenas usufruía da sua posição (Sergei era presidente da associação imperial de teatro) para subir na carreira. Sergei sabia-o, mas mesmo assim continuou a ser um amigo próximo de Mathilde. Em 1900, a bailarina conheceu o Grão-Duque Andrei Vladimirovich, filho do primo de Sergei e começou uma relação com ele que causou uma relação tempestuosa entre os dois primos. Em 1902 ela teve um filho de Andrei, mas deu-lhe o nome de Sergei e foi ele que a ajudou a cuidar da criança.

 

Quando começou a Primeira Guerra Mundial, Sergei estava gravemente doente devido a uma febre reumática que contraiu durante uma viagem e à qual se seguiu uma violenta Pleurisia. Depois de 5 meses preso à cama, Sergei assumiu o seu posto como Chefe do Departamento de Artilharia do Exercito. Essa posição trouxe-lhe inúmeros rumores de corrupção e incompetência e ele teve de se demitir do cargo em 1916 para se tornar apenas Inspector de Artelharia. Durante a guerra o Grão-Duque viveu no mesmo edifício do seu primo Nicolau II e, muitas vezes, tentou convencê-lo a abandonar a guerra, mas ele recusou. As suas constantes tentativas de persuasão de Nicolau fizeram com que fosse odiado pela sua esposa Alexandra. Quando rebentou a Revolução de Fevereiro, Sergei escolheu ficar em Mogilev onde tinha lutado durante a guerra.

 

Sergei regressou a Petrogrado no inicio de Junho de 1918 e, juntamente com os restantes membros masculinos da família que ainda se encontravam na cidade, foi chamado ao posto de comando da Tcheca (policia politica do regime) onde o informaram de que estava proibido de deixar a cidade. Poucas semanas depois foi chamado novamente, desta vez para receber ordens de exílio e partiu juntamente com outros 4 membros da famíliae o secretário para a cidade de Viatka nos Montes Urais. Durante 11 dias os prisioneiros puderam deslocar-se livremente pela cidade, mas tudo acabou quando foram transferidos para Ekaterinburgo no dia 3 de Maio de 1918. Aí juntaram-se à Grã-Duquesa Isabel Feodorovna e ficaram confinados a um hotel na cidade até serem novamente transferidos novamente no dia 18 do mesmo mês para Alapayevsk onde ficaram alojados numa antiga escola. A única liberdade que tinham era passear pelas salas de aula sob a supervisão dos guardas. Sergei partilhou a sala de aula que lhe servia de quarto com o seu secretário e o Príncipe Paley, filho do Grão-Duque Paulo.

 

No dia em que foram encaminhados até à mina, Sergei foi o único que se atreveu a desobedecer e tentou lutar com os guardas que o alvejaram mortalmente e atiraram o seu cadáver para a mina. Morreu aos 48 anos de idade.

 
Príncipe João Constantinovich
 
 

Nasceu no dia 5 de Julho de 1886 e era o filho mais velho do Grão-Duque Constantino Constantinovich, neto do Czar Nicolau I pelo seu segundo filho Constantino Nikolaevich. Era um jovem sensível, gentil e muito religioso. Durante a juventude chegou a considerar tornar-se num monge ortodoxo, mas apaixonou-se pela Princesa Helena da Sérvia com quem se casou no dia 2 de Setembro de 1911. Foram um casal muito feliz e tiveram dois filhos: um rapaz, Vsevolod Ivanovich nascido em 1914, e uma rapariga chamada Catarina Ivanovna nascida em 1915. A filha de João foi o último membro da família imperial a nascer antes da queda da dinastia e viveu até ao dia 13 de Março de 2007.

 

O Principe lutou na Primeira Guerra Mundial onde foi condecorado como herói. Quando rebentou a Revolução Russa de 1917 ele estava a lutar na frente de combate. Em Abril de 1918 foi exilado e morreu com apenas 32 anos de idade.

 

Principe Constantino Constantinovich

 

 

Nasceu no dia 1 de Janeiro de 1891 e era o quarto filho do Grão-Duque Constantino Constantinovich, por isso irmão mais novo do Principe João Constantinovich.

 

O Príncipe era um rapaz calado e tímido que gostava de teatro e foi educado na “Corps dês Pages”, uma academia militar em São Petersburgo. Quando começou a Primeira Guerra Mundial tinha 23 anos e juntou-se a um dos regimentos do Czar e foi descrito como sendo muito modesto e adorado pelos seus companheiros que destacaram a sua valentia. Constantino nunca pediu a protecção a que tinha direito pelo seu título e arriscava a sua vida no campo de batalha tal como os seus companheiros.

 

Depois de ver a felicidade dos seus irmãos mais novos, João e Tatiana, Constantino também quis começar a sua própria família. Gostava da sua prima Olga (filha mais velha do Czar), mas também da Princesa Isabel da Roménia, mas nunca chegou a ter tempo de pedir nenhuma das duas em casamento. Depois de passar três anos na frente de combate foi exilado com dois dos seus irmãos e dois primos e morreu com eles aos 27 anos de idade. O seu corpo foi mais tarde enterrado no cemitério ortodoxo de Pequim que foi destruído durante a Revolução Cultural chinesa.

 

Príncipe Igor Constantinovich

 

 

Nasceu no dia 10 de Junho de 1894 e era irmão mais novo de João e Constantino Constantinovich. Tal como os irmãos, era gentil, simpático e educado que gostava de teatro e adorado por todos que o conheciam. Frequentou a mesma academia militar que os irmãos.

 

Durante a Primeira Guerra Mundial foi capitão do Regimento da Guarda Ismailovsky e foi condecorado como herói, no entanto a sua saúde era bastante frágil. Sofreu de Pleurisia e outras complicações pulmonares em 1915 e quando regressou às trincheiras não conseguia andar muito depressa e tossia sangue frequentemente.

 

Foi exilado com os irmãos e primos e morreu aos 23 anos. O seu corpo foi, mais tarde, enterrado em Pequim juntamente com o dos irmãos, no mesmo cemitério ortodoxo que foi transformado num parque.

 

Principe Vladimir Pavlovich Paley

 

 

Nasceu no dia 9 de Janeiro de 1897 e era um conhecido poeta. O seu pai era o Grão-Duque Paulo que se casou com a sua mãe sem a autorização do Czar depois de a sua primeira esposa, a Princesa Alexandra da Grécia, morrer ao dar à luz o meio-irmão de Vladimir, Dmitri que foi um dos assassinos de Rasputine e, por isso, nasceu sem qualquer título. No entanto, à medida que os pretendentes ao trono iam morrendo, o pai de Vladimir aproximava-se, por isso o Czar Nicolau II elevou-o a Conde em 1904 e, finalmente, a Príncipe em 1915.

 

Vladimir tinha dois meios-irmãos do primeiro casamento do pai (Maria Pavlovna e Dmitri Pavlovich) e três do primeiro casamento da mãe (Alexandre, Olga e Mariana von Pistohlkors). Além dos meios-irmãos tinha duas irmãs biológicas chamadas Irina e Natália Pavlovna.

 

Passou a sua infância em Paris e mais tarde frequentou a mesma academia militar dos primos Constantinovich em São Petersburgo. Lutou pelo lado russo na Primeira Guerra Mundial e foi condecorado com a Ordem de Santa Ana pelos seus esforços.

 

Desde a adolescência, Vladimir mostrou um grande talento para a poesia e publicou dois livros com os seus poemas em 1916 e em 1918 além de várias peças e ensaios. Também foi ele que traduziu a peça do Grão-Duque Constantino Constantinovich, “O Rei dos Judeus” para francês.

 

No Verão de 1917 ele e a sua família foram condenados a prisão domiciliária devido a um poema que ele tinha escrito sobre o chefe do Governo Provisório, Alexandre Kerensky. Em Março de 1918 foi preso pelos bolcheviques e enviado para exílio com os seus primos. O seu pai foi preso em São Petersburgo.

 

Vladimir morreu aos 21 anos.

 

 

 

 

 


publicado por tuga9890 às 10:00
link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito
|

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 37 seguidores

.pesquisar

 

.Dezembro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


.arquivos

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Outubro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Fevereiro 2009

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

.Fotos

Há quem diga que todos os segundos da vida dos Romanov foram documentados em fotografia. Aqui ficam alguns exemplos:

.Questionário


Get your own Poll!

.Vídeos

.tags

. todas as tags

.links

.posts recentes

. Os Ramos da Família Roman...

. Os Ramos da Família Roman...

. Notícias - Mais Membros d...

. Curiosidades - As Vitimas...

.Visitas

web polls easy
web polls

SAPO Blogs

.subscrever feeds