Quinta-feira, 9 de Setembro de 2010

Filme - "Catherine, the Great" (1995)

 

Produzido em 1995, este filme conta a história dos primeiros anos de Catarina, a Grande, na Rússia, começando no seu casamento com o Grão-duque Pedro em 1745 e avança até aos seus primeiros anos como Imperatriz, seguindo todas as intrigas, romances e traições da Corte da Imperatriz Isabel I da Rússia.

 

Imagens


 

Elenco

 

Catherine Zeta-Jones - Catarina

Paul McGann - Potemkin

Ian Richardson - Vorontzov

Brian Blessed - Bestuzhev

John Rhys-Davies- Pugachev

Craig McLachlan - Saltykov

Hannes Jaenick - Pedro III

Mark McGann - Orlov

Jeanne Moreau - Imperatriz Isabel

Omar Sharif - Razumovsky

Horst Frank - Schwerin

Christoph Waltz - Mirovich


publicado por tuga9890 às 14:51
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Domingo, 18 de Julho de 2010

Notícias - Garrafa de champanhe com 200 anos pode ter sido um presente para o Czar

A garrafa de champanhe resgatada das profundezas do Mar Báltico tem mais de 200 anos. Os enólogos consideram esta descoberta sensacional.

 

O aroma da bebida é muito intenso, com cheiro a tabaco, uvas e frutos brancos, carvalho e mel. Trata-se de um vinho verdadeiramente surpreendente, muito açucarado, mas preservando ainda alguma acidez, segundo quem já o provou.


Este sabor explica-se pelo facto de há 200 anos os processos de fermentação serem mal concluídos, o que leva o champanhe a ser muito menos seco do que nos dias de hoje.


Trata-se de um vinho anterior à Revolução Francesa e que pode ser uma das primeiras colheitas da casa Veuve Clicquot. Pensa-se que é uma garrafa deste produtor, porque, tal como hoje, está na rolha a marca de uma ancora.


A garrafa pode ter sido um presente do rei de França Luís XVI para os czares da Rússia, sendo que a prenda não chegou ao destino, porque o navio foi ao fundo no Mar Báltico entre a Suécia e a Finlândia.


Os mergulhadores que descobriram o navio afundado conseguiram recuperar das águas escuras uma garrafa, mas dizem que estão mais frascos no fundo do mar, a 55 metros de profundidade, onde o vinho se conservou perante a ausência de luz e o frio constante.

Cada garrafa deste champanhe com mais de 200 anos está avaliada em 53 mil euros. Mas se se confirmar que o vinho era uma prenda de Luís XVI aos czares do Século XVIII o valor vai aumentar.

 

Fonte

 

Durante todo o reinado de Luís XVI quem governava o Império Russo era uma mulher: Catarina, a Grande.

 



publicado por tuga9890 às 10:09
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 9 de Maio de 2010

Czares da Rússia - Pedro III da Rússia

Pedro III da Rússia

 

Nome: Pedro Feodorovich Romanov (Carlos Pedro Ulrich de Holstein-Gottorp)

Pais: Carlos Frederico, Duque de Holstein-Gottorp e Anna Petrovna da Rússia (filha do czar Pedro, o Grande).

Nascimento: 21 de Fevereiro de 1728

Reinado: 5 de Janeiro de 1762 - 9 de Julho de 1762

 

 

 

Reformas:

 

Apesar de estar pouco tempo no poder, Pedro teve ainda tempo de realizar algumas reformas durante o seu reinado. A primeira foi decretar o regresso de todas as figuras que tinham sido exiladas pela sua tia Isabel Petrovna. Nascido e criado na Prússia, o czar nutria uma grande admiração pelo país e pelo seu rei, Frederico, o Grande. Isto levou a que retirasse a Rússia da Guerra dos Sete Anos sem qualquer benificio para o país pelo simples facto de querer agradar a Frederico, visto que a Rússia tinha causado grandes perdas na frente prussiana. No mesmo sentido de promover a imagem russa em terras germânicas, Pedro começou a planear uma guerra contra a Dinamarca com o objectivo reclamar o ducado de Schleswig para a Prússia.

 

Internamente, no entanto, as políticas de Pedro tiveram mais sucesso. Foi o primeiro monarca a introduzir noções de capitalismo e mercantilismo no país contra as formas de produção tradicionais que ainda dominavam e proibiu a importação de açucar com o objectivo de promover o consumo interno. No entanto, Pedro era um grande defensor do direito divino da nobreza que floresceu e ganhou mais poder durante estes curtos meses. Primeiro os servos deixaram de ser mercadoria livre e a sua compra passou a ser exlusivamente um previlégio da nobreza, depois extinguiu uma antiga lei introduzida por Pedro, o Grande que obrigava nobres masculinos a participar no exercito, dando-lhes livre arbitrio para o fazerem ou não. Na igreja começou por obrigar os padres ortodoxos a tomar atitudes mais luteranas.

 

Pedro III da RússiaQueda:

 

Temendo que Pedro se divorciasse dela para se casar com a sua amante, Isabel Vorontsova, Catarina, a Grande planeou um golpe de estado juntamente com o seu amante, Gregório Orlov para depôr o czar. Auxiliados pela guarda Leib para quem Pedro planeava duras reformas, o seu golpe foi bem-sucedido e Pedro forçado a abdicar em favor da sua esposa. Os poucos dias que lhe restaram foram passados na prisão.

 

Pedro III da Rússia

 

Família

 

Carlos Frederico, Duque de Holstein-Gottorp


 

O pai de Pedro III nasceu em Estocolmo, na Suécia, sendo filho de Hedvig Sofia, uma filha do rei Carlos XI da Suécia. Após a morte do seu avô, Carlos foi apontado como o provável sucessor ao trono sueco, mas a sua tia Ulrika chegou primeiro e baniu o jovem para a Rússia onde ele conheceria a Grã-Duquesa Ana Petrovna.

 

Ana Petrovna Romanova

 


Filha mais velha do casamento de Pedro, o Grande com a camponesa Marta Skowronska (mais tarde Catarina I da Rússia), nascida ainda bastarda e depois legitimizada em 1712. Foi sugerida como possível noiva de Louis d'Órleans, um neto de Luís XIV de França e futuro regente de Luís XV, mas acabou por se casar com Carlos Frederico de Holstein-Gottorp para assegurar o apoio russo à conquista do condado de Schleswig pela Alemanha.

 

Para informação sobre a esposa e os filhos de Pedro clique aqui.

 

 

Curiosidade: Pedro não nasceu nem como Ortodoxo nem como russo. Era o filho de um Duque Alemão, descendente de monarcas suecos e por isso Luterano. Foi obrigado a converter-se apenas em 1742, quando tinha 14 anos por ordem da sua tia Isabel I da Rússia que o escolheu como seu sucessor após chegar à conclusão de que não teria filhos legitimos. Se a rainha Ulrika Leonor da Suécia nunca tivesse ascendido ao trono, era provavel que Pedro se tornasse rei da Suécia.

 

Causa de morte: Pedro foi assassinado na prisão por um grupo de soldados. Até hoje existe a dúvida se a ordem partiu de Catarina II ou do seu amante Orlov. Os seus assassinos nunca foram punidos.

 



publicado por tuga9890 às 14:05
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 23 de Maio de 2009

Czares da Rússia - Catarina, a Grande

 

Nome: Sofia Frederica de Anhalt-Zerbst-Dornburg (Catarina II da Rússia)

Pais: Cristiano Augusto, Príncipe de Anhalt-Zerbst e Joana Isabel de Holstein-Gottorp.

Nascimento: 2 de Maio de 1729

Reinado: (como consorte) 25 de Dezembro de 1761 - 28 de Junho de 1762

                    (como reinante) 28 de Junho de 1762 - 17 de Novembro de 1796

 

 

Cronologia da sua vida:

 

1743 – Sofia Frederica, na altura com 14 anos, é chamada à Rússia pela Imperatriz Isabel I da Rússia.
1744 – Sofia e a sua mãe, Joana Isabel de Holstein, chegam a Moscovo para conhecer a Imperatriz Isabel no dia 9 de Fevereiro. Pouco depois a jovem princesa de 15 anos converte-se à Religião Ortodoxa e muda de nome para Catarina Alexeievna.
1745 – Catarina casa-se em São Petersburgo com Pedro Feodorovich, Grão-duque de Holstein e herdeiro do trono russo.
1747 – O pai de Catarina, Cristiano Augusto de Anhalt-Zerbst, morre.
1752 – Catarina tem o seu primeiro amante conhecido, Serge Saltykov, um oficial russo.
1754 – Catarina dá à luz o seu primeiro filho, Paulo, future Imperador da Rússia. Muitos acreditam que o seu pai era Serge Saltykov e não Pedro III.
1757 – A Rússia vence a Prússia na Guerra.
1760 – Catarina começa uma relação com um novo amante, Gregório Orlov. No mesmo ano morre a sua mãe.
1761 – A Imperatriz Isabel I da Rússia morre no dia 25 de Dezembro e o marido de Catarina é coroado Czar, passando a ser conhecido por Pedro III da Rússia.
1762 – Pedro III assina um tratado com a Prússia a 24 de Abril, fomentando a fúria entre a Nobreza russa. Catarina, apoiada pela Guarda Imperial, retira Pedro do trono e torna-se Imperatriz da Rússia. Pedro III acaba por morrer enquanto prisioneiro dos Orlovs. Catarina nega qualquer tipo de cumplicidade.

 

 

1763 – Catarina confirma o privilégio da Nobreza. Começa a coleccionar Arte proveniente de toda a Europa e expõe-la no novo museu Hermitrage. A Rússia invade a Lituânia.
1764 – O Conde Betskov é contratado para organizar novos planos para a educação de rapazes e raparigas, iniciando a reforma de Catarina para um ensino de estilo europeu na Rússia. Novas escolas e Universidades são abertas durante o seu reinado, incluindo o Instituto Smolny Para Raparigas em São Petersburgo.
1766 – Catarina escreve o “Nakaz” (Instruções) e reforma a administração local criando a posição de gorodskoi golova (Presidente da Câmara). É assinado o Tratado de Amizade com a Inglaterra.
1767 – Influenciada pelo Iluminismo francês, Catarina cria uma comissão para a reforma judicial.
1768 – A Rússia declara guerra à Turquia.

 

 

1771 – A Rússia conquista a Crimeia.
1772 – Organizam-se encontros com a Prússia e a Áustria com o objectivo de dividir a Polónia. É assinado o Armistício com a Turquia.
1773 – Catarina persuade o escritor francês Denis Diderot a entrar na Corte Russa. O Cossaco Yemelyan Pugachov lidera uma revolta de camponeses no Rio Volga. Orlov perde a sua influência.
1774 – Potemkin torna-se o novo amante de Catarina. A Imperatriz lidera a criação de um “Magistrat” (concelho municipal) que se torna na Duma da cidade em 1786. A guerra com a Turquia termina com a assinatura do Tratado de Kuchuk Kainardji.
1775 – Julgamento e execução de Pugachev. Catarina reforma as administrações provinciais e urbanas.
1777 – Aliança com a Prússia. Problemas na Crimeia.
1778 – Catarina adquire a biblioteca complete de Voltaire após a morte dele.

 


1781 – Aliança entre a Rússia e a Áustria.
1783 – Potemkin anexa a Crimeia à Rússia, retirando-a à Turquia.
1787 – Catarina faz uma digressão pela Crimeira. A Turquia declara guerra à Rússia.
1788 – Catarina impõe a anexação da Polónia. Guerra com a Suécia.
1789 – Temendo que a Revolução Francesa se espalhasse à Rússia, Catarina desfaz muitas das suas reformas liberais.

 

 

1790 – Paz com a Suécia.
1791 – Morte de Potemkin. Tratado de Jassy, assinado entre a Turquia e a Rússia.
1793 – A Polónia volta a separar-se da Rússia.
1794 – Insurreições na Polónia. Terceira separação da Polónia.
1796 – Catarina morre.

 

(fonte: www.geocities.com/Athens/Rhodes/4257/Cathpage1.html)

 

 

Família

 

Consorte:

 

Pedro III da Rússia

 

A família da mãe de Catarina (ainda conhecida pelo seu nome de nascimento, Sofia) estava intimamente ligada com a família imperial russa. O seu tio materno, Carlos Augusto de Holnstein, tinha sido um dos pretendentes a casar-se com a Imperatriz Isabel I, mas morreu de sarampo antes do casamento acontecer. Durante a sua procura de noivas para o seu sobrinho Pedro, Isabel interessou-se por Sofia e convocou-a a São Petersburgo.

 

 

A família deixou Zerbst no dia 10 de Janeiro de 1744. Alguns dias mais tarde, Sofia despediu-se do seu pai em Schwedt, nas margens do rio Oder, e continuou a viagem com a sua mãe. Realizada a meio do Inverno, a viagem foi longa e extenuante. Quando atravessaram a fronteira russa, mãe e filha encontraram trenós, enviados pela Imperatriz Isabel. O resto da viagem foi luxuosa, no entanto, ao chegar triunfantemente a São Petersburgo, foram informadas de que a Corte se encontrava em Moscovo na altura. Por isso, após um breve período de descanso, elas voltaram a fazer-se à estrada, uma vez que queriam chegar à segunda cidade mais importante do Império a tempo do aniversário do Grão-duque Pedro que se realizaria a 10 de Fevereiro. Segundo relatos da época, a Imperatriz gostou imediatamente de Sofia. O Grão-duque ficou contente por vê-las, já que a mãe de Sofia era prima directa do seu pai. A futura noiva notou imediatamente uma certa fragilidade em Pedro, uma analise acertada, visto que ele sofria de todo o tipo de doenças. Ele era atrasado, tanto física como emocionalmente, tendo crescido sem uma mãe presente e um pai que não gostava de passar tempo com ele. Ele era uma criança que nunca tinha conhecido amor ou afecto. Sofia também reparou que ele se ocupava com jogos infantis, que era muito caseiro, mas, acima de tudo, que odiava profundamente o país que estava destinado a reinar. Pedro era um crente firme da fé Luterana e adorava tudo que fosse prussiano. O rei Frederico era o seu herói.

 

 

Sofia começou a aprender russo e a estudar a Religião Ortodoxa, o que agradou à Imperatriz Isabel. No dia 28 de Junho, Sofia converteu-se numa grande cerimónia. No dia seguinte aconteceu o noivado e a Princesa Sofia de Anhalt-Zerbst tornou-se na Grã-duquesa Catarina Alexeyevna da Rússia e passou a ser a segunda mulher mais importante do país.


Pouco tempo depois, Pedro contraiu Sarampo e depois começou a mostrar sintomas de Varicela. Foi a própria Imperatriz que cuidou dele durante a doença, que o deixou com o rosto desfigurado e com muito pouco cabelo. Ele sabia como a doença o tinha deixado ainda menos atraente, o que destruiu a pouca confiança que lhe restava. Catarina achava-o uma criatura penosa e olhava para o casamento com muito pouco entusiasmo. Na altura Pedro tinha começado a beber em excesso e o seu comportamento tornou-se cruel. A corte regressou a São Petersburgo e, após vários adiamentos, o casamento aconteceu no dia 21 de Agosto de 1745 na Catedral de Kasan.

 


 

Acredita-se que o casamento não terá sido consumado, uma vez que o corpo de Pedro não se tinha desenvolvido devido às suas muitas doenças. Foi nesta altura que Catarina, sentindo-se mais isolada do que nunca, escreveu: “Devia ter amado o meu novo marido, se ele, pelo menos, tivesse sido minimamente amável. Mas nos primeiros dias do meu casamento, fiz algumas refleções cruéis sobre ele. Estou sempre a dizer-me a mim mesma: ‘Se amares este homem, vais ser a criatura mais miserável à face da Terra. Tem cuidado no que toca ao afecto por este homem, pensa em ti, Madame.”


O jovem casal habituou-se um ao outro, mas o casamento foi um erro miserável. A mãe de Catarina acabou por regressar a casa e a futura Imperatriz ocupou-se lendo tudo o que lhe viesse parar às mãos. Acabou por descobrir satisfação quando avançou dos trabalhos de Platão para os de Voltaire. O seu interesse pelo intelectual causou uma separação ainda maior entre ela e o marido, que a começou a evitar. Ele sentia prazer em dizer-lhe o quanto gostava de outras mulheres. Catarina começou a ficar satisfeita com as ocupações infantis dele. Os anos foram passando e não havia nenhum herdeiro à vista, irritando profundamente a Imperatriz que culpava Catarina por não se conseguir tornar atraente aos olhos do marido. O facto de ela ter arranjado um amante, é pouco surpreendente no meio de toda a pressão a que estava sujeita. Menos de dois anos depois, ela finalmente deu à luz um filho, Paulo, que foi imediatamente levado para os aposentos da Imperatriz onde ficaria até à morte dela.

 

 

Filhos:

 

Paulo I da Rússia

 

Alexei Bobrinsky


 

Alexei foi o filho nascido da relação de Catarina com o Conde Gregório Orlov, nascido a 11 de Abril de 1762. O seu apelido foi escolhido como uma derivação do nome da casa onde a sua família vivia, Brobrinskoe. Tinha 19 anos quando a Imperatriz lhe revelou que era sua mãe através de uma carta. Casou-se com a Baronesa Ana Doroteia von Ungern-Sternberg de quem teve descendência que sobrevive até hoje. O seu meio-irmão Paulo I criou-o Conde durante o seu curto reinado.

 

Isabel Grigoryevna Temkina

 

Isabel foi a filha de Catarina com o Príncipe Potemkin-Tauria. Nasceu em segredo, em Moscovo, durante as comemorações do final da Guerra Russo-Turca, a 13 de Julho de 17775. Foi criada pela irmã do pai, Maria Alexandrovna Samoilova. Casou-se com o Major Ivan Hristoforovicha Kalageorgi, de quem teve 10 filhos. Quando tinha 22 anos de idade, Isabel posou para o artista Vladimir Borovikovsky como Deusa Diana, nua, sendo o quadro vendido por 6 milhões de rublos. Hoje ele pode ser visto na Galeria do Estado Tretyakov.

 

***

 

 

Causa de morte: Catarina, a Grande sofreu um ataque cardiaco no dia 16 de Novembro de 1796 que a deixou inconsciente. Morreu poucas horas depois, sem recuperar os sentidos. Tinha 67 anos.


publicado por tuga9890 às 11:34
link do post | comentar | ver comentários (8) | favorito
|
Sábado, 2 de Maio de 2009

Czares da Rússia - Paulo I e família

 

Nome: Paulo Petrovich Romanov (Paulo I da Rússia)

Pais: Pedro III da Rússia e Catarina, a Grande (Sofia Frederica de Anhalt-Zerbst-Dornburg).

Nascimento: 1 de Outubro de 1754

Reinado: 6 de Novembro de 1796 - 23 de Março de 1801

 

 

Reformas:

 

O curto reinado de Paulo I resumiu-se a dois pontos: alteração da lei de sucessão e inversão das políticas instauradas pela sua mãe.

 

  1. Leis Paulinas: Temendo que no testamento da sua mãe, ela o tivesse excluído do trono para o entregar directamente ao sei filho Alexandre, Paulo modificou profundamente as leis de sucessão. As principais mudanças foram a exclusão de mulheres do trono excepto no caso de a linha masculina ser completamente extinta. Além disso era obrigatório que o sucessor fosse o filho primogénito, sendo impossível exclui-lo em favor do mais novo. Os casamentos também foram alterados. Os membros da família imperial passaram a ser obrigados a casar com outro membro de uma casa reinante ou a enfrentar o exílio e abdicação de títulos.
  2. Inversão de Políticas: Quando Paulo chegou ao trono, iniciou uma autentica inquisição contra tudo o que era francês, sendo esse um país e cultura que a sua mãe amava incondicionalmente. Pessoas foram exiladas apenas por usarem roupas de estilo parisiense ou ler livros franceses. Também mandou o exercito russo estacionado na Prússia segundo o desejo de Catarina, a Grande, regressar a casa e voltou a enterrar o seu pai, o czar Pedro III como se Catarina não tivesse sido uma governante legítima.

 

Família

 

Consortes:

 

Natália Alexeievna (Guilhermina Luísa de Hesse-Darmstadt)

 

 

Guilhermina visitou a Rússia pela primeira vez em 1773 a convite da Imperatriz Catarina, a Grande que andava à procura de uma esposa para o seu filho. Guilhermina foi acompanhada das suas duas irmãs e da mãe, uma vez que a Czarina não conhecia nenhuma e não sabia quem haveria de escolher.

 

Paulo reparou imediatamente em Guilhermina e os dois ficaram noivos, casando-se em Outubro do mesmo ano.

 

Ela era vivaz, alegre e desinibida, agitando a corte russa. A principio a Imperatriz gostava dela, mas esse sentimento alterou-se rapidamente quando Guilhermina começou a ir contra todas as suas decisões. Paulo gostava muito dela, mas ela não era perdida de amores pelo marido. Poucos meses depois iniciou um romance com o melhor amigo dele, o general Andrey Razumovsky.

 

Guilhermina acabaria por morrer ao dar à luz um filho que nunca se soube ser de Paulo ou Andrei.

 

Maria Feodorovna (Sofia Doroteia de Württemberg)

 

 

A união entre Paulo e Maria foi arranjada novamente pela mãe dele. Maria teve uma educação excelente, mas era de raciocínio lento e não muito inteligente. Mesmo assim Paulo ficou encantado com ela e os dois eram extremamente apaixonados e dedicados, principalmente durante os primeiros anos de casamento.

 

Paulo tinha uma personalidade difícil, mas Maria compreendia-a e equilibrava-a, ajudando o marido a lidar com ocasiões públicas. Juntos teriam 10 filhos, assegurando assim a linha de sucessão russa até à Revolução em 1917.

 

Eventualmente Paulo, tal como todos os homens da época, arranjou uma amante. Maria ficou extremamente desiludida com o marido e os dois afastaram-se até aos últimos anos da vida dele.

 

Após o assassinato de Paulo, Maria tentou reclamar o título de Imperatriz, tal como a sua sogra tinha feito, mas foi rapidamente impedida pelo filho.

 

 

Filhos

 

Alexandre I da Rússia

 

Constantino Pavlovich Romanov

 

 

Nascido em 1779, Constantino, tal como o seu irmão mais velho, foi enviado ainda em bebé para o palácio da avó para ser criado por ela. Catarina II preparou-o para ser o Imperador daquilo que ela pretendia ser o Império Bizantino restaurado, no entanto Constantino nunca chegaria ao trono, tendo-o recusado em favor do irmão Nicolau após a morte de Alexandre.

 

Em 1796, com apenas 16 anos, casou-se com a Princesa Juliana de Saxe-Coburgo-Saalfield, uma tia da Rainha Vitória. O casamento foi profundamente infeliz, maioritariamente devido à personalidade imatura do Grão-duque e à mente liberal da Princesa. Os dois passaram a maioria da vida separados, vindo a divorciar-se oficialmente em 1820. Casou-se depois com a polaca Joanna Grudzińska, mas nunca teve filhos.

 

Politicamente o papel mais influente de Constantino foi como Governador da Polónia. Reinando-a com punho de ferro, perseguiu ferozmente os revolucionários que procuravam a independência do reino e ganhou uma impopularidade sem precedentes, acabando por ser expulso pelo próprio irmão.

 

Alexandra Pavlovna Romanova

 

 

Nasceu em 1783 e era considerada a mais bonita e inteligente das Princesas europeias da sua época. Casou-se em 1799 com o Arquiduque José da Áustria, seguindo o plano do seu pai para melhorar as relações entre os dois países. Infelizmente a união durou pouco. Em 1801, quando Alexandra tinha 17 anos, o parto do seu primeiro filho correu mal e nem ela, nem a criança resistiram, acabando por morrer mais tarde nesse dia.

 

Elena Pavlovna Romanova

 

 

Nascida em 1784, Elena recebeu a alcunha de "Helena de Tróia" da sua avó devido à sua beleza. Casou-se a três meses de completar 15 anos com o Grão-duque Luís Frederico de Mecklenburg-Schwerin de quem teve dois filhos. Acabaria por morrer subitamente em 1803, depois de ficar gravemente doente dias antes. Tinha 18 anos.

 

Maria Pavlovna Romanova

 

 

Nascida em 1786, Maria era considerada a menos bonita das suas irmãs. Mesmo assim os seus talentos eram compensados noutras áreas. Era uma grande entusiasta pelas artes, sendo uma grande pianista e pintora. Em 1804 casou-se com o Grão-duque Carlos Frederico de Saxe-Weimar-Eisenach e tornou-se uma figura extremamente popular no seu Grão-ducado alemão, sendo a primeira a estimular a sua capital, Weimar, a tornar-se num centro artístico. Teve dois filhos e duas filhas. Um delas, Augusta, tornar-se-ia na primeira Imperatriz da Alemanha após o seu casamento com o Kaiser Guilherme I.

 

Catarina Pavlovna Romanova

 

 

Nasceu em 1788 e foi desde sempre muito próxima do seu irmão mais velho, o futuro Czar Alexandre I, ao ponto de alguns questionarem se os dois não estariam envolvidos num caso de incesto que nunca foi confirmado. Durante as Invasões Francesas, Napoleão pediu a mão dela em casamento ao irmão com o objectivo de unir os reinos francês e russo, mas foi recusado. Catarina acabaria por se casar primeiro em 1809 com o Duque Pedro de Oldenburgo de quem teve dois filhos e, após a morte dele, casou-se novamente em 1816 com o Rei Guilherme I de Württemberg de quem teve duas filhas. Uma delas, Sofia, tornar-se-ia Rainha Consorte da Holanda após o seu casamento com o Rei Guilherme III.

 

Ana Pavlovna Romanova

 

 

Nascida em 1795, tornar-se-ia Rainha Consorte da Holanda após o seu casamento com o Rei Guilherme II. Juntos teriam cinco filhos.

 

Nicolau I da Rússia

 

 

Miguel Pavlovich Romanov

 

 

O filho mais novo nasceu em 1798. Era pouco sensível e obcecado com a vida militar, herdando muitas características da personalidade neurótica do pai. Casou-se em 1824 com a sua prima em segundo grau, a Princesa Carlota de Württemberg, que mudou o nome para Elena Pavlovna ao juntar-se à Igreja Ortodoxa. O casamento foi intensamente infeliz, principalmente para ela, mas mesmo assim o casal teve cinco filhas. Nenhuma delas passou dos 21 anos, tendo apenas duas chegado à idade adulta.

 

***

 

 

Curiosidade: Existe a possibilidade de que o pai biológico de Paulo I não fosse o Czar Pedro III, mas sim o amante da sua mãe, Serge Saltykov. Embora muitos defendam esta possibilidade, existem factores de que isto não passa de um rumor, uma vez que Paulo era bastante parecido fisicamente com Pedro III. Os rumores podem ter surgido devido ao facto de Catarina, a Grande, odiar o seu filho e preferir excluí-lo do trono em favor do seu neto Alexandre.

 

Causa de Morte: Paulo foi violentamente assassinado a pontapé no seu quarto do Castelo de São Miguel por um grupo de nobres. A razão para o seu assassinato podem prender-se com o facto de ele ter descoberto e parado vários esquemas de corrupção no tesouro russo por parte destes nobres, mas o mais provável é que tudo tenha acontecido para que o seu filho subisse directamente para o trono. Há quem acredite que Alexandre I esteve envolvido directamente no assassinato, mas outros defendem que ele queria apenas pressionar o pai para abdicar.


publicado por tuga9890 às 10:01
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


.arquivos

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Outubro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Fevereiro 2009

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

.Fotos

Há quem diga que todos os segundos da vida dos Romanov foram documentados em fotografia. Aqui ficam alguns exemplos:

.Questionário


Get your own Poll!

.Vídeos

.tags

. todas as tags

.links

.posts recentes

. Filme - "Catherine, the G...

. Notícias - Garrafa de cha...

. Czares da Rússia - Pedro ...

. Czares da Rússia - Catari...

. Czares da Rússia - Paulo ...

.Visitas

web polls easy
web polls

blogs SAPO

.subscrever feeds