Terça-feira, 1 de Julho de 2008

Biografia - Anastasia Nikolaevna

 

 

Anastasia Romanov era a filha mais nova e de Nicolau II e Alexandra da Rússia, nascida a 18 de Junho de 1901 no Palácio de Peterhof.

 

Anastasia tornou-se famosa após a sua morte devido às inúmeras mulheres que se fizeram passar por ela ao longo do século XX e também à atenção da qual foi alvo por parte da Cultura Popular de todo o mundo.

 

Anastasia nos braços da mãe em 1901

 

A esperança no nascimento de um herdeiro para a dinastia Romanov foi novamente adiada com o nascimento de Anastasia   Nikolaevna em 1901. Quando recebeu a notícia de que tinha sido pai da quarta filha consecutiva, o czar Nicolau II foi dar um longo passeio sozinho para se acalmar antes de visitar Alexandra e a nova bebé.

 

 

Um significado para o nome Anastasia é "aquela que se liberta das correntes". A quarta Grã-Duquesa recebeu o nome devido ao facto de, em honra do seu nascimento, o seu pai ter perdoado e colocado em liberdade estudantes que tinham sido presos por participarem em motins em São Petersburgo e Moscovo no Inverno anterior. Outro significado para o seu nome é "ela irá erguer-se", ligado à ressurreição  , facto que foi muitas vezes repetido quando as histórias sobre a sua sobrevivência começaram a aparecer.

 

Anastasia em 1902

 

Anastasia tinha um aspecto e personalidade diferentes das suas femininas e bem-comportadas irmãs. Era descrita como uma “maria-rapaz” que gostava de subir às árvores e brincar com os rapazes. A dama-de-companhia da sua mãe, Shopie Buxhoeveden, escreveu o seguinte sobre Anastasia e a sua irmã Maria:


“A Maria Nikolaevna era igual à Olga em cores e feições, mas com tudo mais acentuado e vivo. Ela tinha o mesmo sorriso encantador, a mesma forma da cara, mas os olhos dela, “as safiras da Maria”, como eram conhecidos entre os seus primos, eram magníficos, de um azul profundo. O cabelo dela tinha madeixas douradas e, quando foi cortado depois da doença dela em 1917, encaracolou-se naturalmente em volta da cabeça. A Maria era comandada inteiramente pela sua irmã mais nova, Anastasia Nikolaevna, chamada de “criança mal-comportada” pela sua mãe.

Talvez a Anastasia se tivesse tornado na mais bonita das irmãs se tivesse vivido mais tempo. As suas feições eram regulares e bem delineadas. Ela tinha um cabelo bonito, olhos bonitos e vivos com se tivessem sempre um sorriso brincalhão escondido nas suas profundidades, e sobrancelhas negras que quase se juntavam. Tudo isto combinado, tornava a Grã-Duquesa mais nova diferente de todas as irmãs. Ela tinha um aspecto próprio e parecia-se mais com a família da mãe do que com a do pai. Ela era muito baixa, mesmo aos 17 anos e era, na altura, bastante gorda, mas era gordura da juventude. Ela teria-a ultrapassado como a sua irmã Maria.”

 

 

No iate do pai

 

Anastasia era a origem de todo o mau-comportamento e era tão esperta e divertida quanto era preguiçosa nas suas lições. Ela era astuta e observadora, com um apurado sentido de humor, e era a única das irmãs que nunca soube o significado da palavra timidez. Mesmo muito nova, ela entretinha  velhos severos que se sentavam ao pé de si na mesa.

 

Alexis e Anastasia

 

Anastasia cresceu espevitada e energética, descrita como sendo baixa e com tendência a engordar, com olhos azuis e cabelo loiro quase ruivo. Margaretta Eagar , a ama das 4 irmãs, comentou que alguém lhe tinha dito que Anastasia tinha a melhor personalidade que ele alguma visto numa criança. 


Enquanto era frequentemente descrita como dotada e brilhante, nunca se interessou pelas restrições da sala de aula, de acordo com os seus tutores Pierre Gilliard e Sydney Gibbes que, juntamente com o resto dos empregados da família, descreveram Anastasia como sendo energética, travessa, e uma dotada actriz. Contudo a sua inteligência nem sempre era utilizada na melhor maneira.

 

Anastasia em 1905

 

A ousadia de Anastasia, excedia, por vezes, os limites do comportamento aceitável. "Sem dúvida nenhuma que ela mantinha o recorde de castigos atribuídos na sua casa, uma vez que, ao pregar partidas, era um verdadeiro génio," disse Gleb Botkin, filho do médico da corte, Yevgeny Botkin que viria a morrer com o resto da família em Etkaterinburgo .

 

Anastasia com as irmãs em 1904

 

Às vezes, Anastasia fazia rasteiras aos empregados e pregava partidas aos seus tutores. Quando era criança, subia às árvores e recusava-se a descer, sendo que o único que a conseguia convencer a fazê-lo era o seu pai, Nicolau II. Uma vez, durante uma luta de bolas de neve na propriedade polaca da família, Anastasia escondeu uma pedra com neve e atirou-a à sua irmã Tatiana, fazendo-a cair ao chão. Uma prima distante, a Princesa Nina Georgievna recordou que "a Anastasia era uma má perdedora ao ponto de ser verdadeiramente maldosa," e fazia batota, pontapeava e arranhava os seus adversários durante os jogos. Também se preocupava menos com a sua aparência do que as suas irmãs. Hallie Erminie Rives, uma escritora americana e esposa de um diplomata descreveu como Anastasia de 10 anos comia chocolates sem se preocupar em tirar as suas luvas brancas enquanto assistia a um espectáculo na casa da ópera de São Petersburgo.

 

 

Anastasia e a irmã mais velha Maria eram conhecidas como "o Par Pequeno" e partilhavam o mesmo quarto. Juntamente com as irmãs mais velhas, Olga e Tatiana, costumavam assinar as cartas com a alcunha OTMA que vem da primeira letra de cada um dos seus nomes. Para além de Maria e das irmãs, Anastasia era também muito próxima do seu irmão mais novo, Alexis e era ela que o costumava divertir quando ele sofria de ataques de hemofilia.

 

Anastasia e Alexis


Apesar da sua energia, a saúde  física de Anastasia era pobre. A Grã-Duquesa sofria de joanetes que lhe afectavam os pés. Além disso tinha um musculo fraco nas costas que tinha de ser massajado duas vezes por semana. Normalmente escondia-se debaixo da cama ou no armário para evitar estas massagens.

 

 

A sua mãe, Alexandra, confiava nos conselhos de Gregório Rasputine, um camponês russo que se considerava um "homem santo" e usou as suas rezas para salvar Alexis em numerosas situações. Anastasia, as irmãs e o irmão foram ensinadas a tratar Rasputine por "O Nosso Amigo" e a trocar confidências com ele. No Outono de 1907, a sua tia Olga Alexandrovna foi levada aos quartos das crianças pelo czar para conhecer Rasputine e deparou-se com as suas sobrinhas e sobrinho a usar as suas camisas de dormir.

 

Anastasia e a sua tia Olga Alexandrovna

 

Segundo relatos da época as crianças pareciam gostar dele e costumavam escrever-lhe frequentemente. Mais tarde seriam essas cartas que iriam incentivar os rumores de que o maléfico monge mantinha um romance tanto com Alexandra como com as suas filhas, particularmente devido a uma carta inocente, mas sugestiva que Anastasia lhe escreveu: "Meu querido, precioso e único amigo, quanto gostaria de te poder ver outra vez. Voltaste a aparecer-me num sonho. Estou sempre a perguntar à mamã quando vais voltar. Penso sempre em ti, meu querido, porque és tão bom para mim." Para além das cartas, circulavam também caricaturas pornográficas que mostravam a czarina e as filhas a terem relações com Rasputine .

 

Sem saber da doença de Alexis , tanto o povo russo como membros da família questionavam a presença do monge siberiano na corte. Mais tarde, Nicolau pediu-lhe que se ausentasse de São Petersburgo e ele foi para a Palestina, mas acabou por regressar e serviu sempre a família até ao seu assassinato em 1916.

 

Anastasia com a mãe

 

Durante a Primeira Guerra Mundial, Anastasia , juntamente com a irmã Maria, visitava soldados feridos num hospital privado em Tsarskoye Selo onde também trabalhavam a mãe e as irmãs mais velhas Olga e Tatiana. As duas adolescentes jogavam xadrex e bilhar com os soldados e tentavam animá-los. Felix Dassel , que foi tratado nesse hospital e conheceu Anastasia , contou que a Grã-Duquesa "ria como um esquilo e andava muito depressa, tropeçando várias vezes durante o caminho."

 

Anastasia durante a I Guerra Mundial

 

Após a abdicação do pai a Março de 1917, Anastasia foi presa com o resto da família, primeiro em Czarskoe Selo, depois em Tobolsk e, finalmente, em Etkaterinburgo. O stress e a incerteza sobre o seu destino, afectaram tanto Anastasia como o resto da família.

 

1913

 

"Adeus," escreveu ela a um amigo no Inverno de 1917. "Não te esqueças de nós." Em Tobolsk , ela escreveu uma canção para o seu tutor de Inglês, cheia de erros ortográficos sobre Evelyn Hope ", um poema de Robert Browning , que falava sobre uma jovem da idade de Anastasia : "Quando ela morreu tinha apenas 16 anos. Havia um homem que a amava, sem alguma vez a ter visto, mas conhecia-a muito bem. E ela também tinha ouvido falar dele. Ele nunca lhe conseguiu dizer que a amava, e agora ela estava morta. Mas mesmo assim ele pensou que quando ele e ela vivessem [a sua] próxima vida, quando isso acontecesse (...)"

 

 

Mesmo nos seus últimos meses de vida, ela encontrava sempre maneiras de se divertir. Ela e outros membros do grupo de empregados que a família levou, frequentemente organizavam peças de teatro para entreter os pais e os outros habitantes da casa de Tobolsk , durante a Primavera de 1918. As representações de Anastasia faziam todos caírem ao chão de tanto rir, segundo o seu tutor Sydney Gibbes . No dia 7 de Maio de 1918, uma carta enviada para a sua irmã Maria que já se encontrava em Ekaterinburgo , descrevia um momento de alegria, apesar da tristeza, solidão e preocupação que Anastasia sentia pelo seu irmão Alexis : "Estivemos a brincar nos baloiços, e foi aí que eu me perdi de riso, a queda foi tão maravilhosa! Mesmo! Eu já a contei às nossas irmãs tantas vezes ontem que elas já estão fartas de me ouvir, mas eu podia continuar a contar a história muitas vezes... Que clima fantástico temos tido! Qualquer um podia gritar de alegria.

 

Anastasia começou a fumar no Verão de 1916

 

Nas suas memórias, um dos guardas da "Casa Para Fins Especiais", Alexandre Strekotin , recordou Anastasia como sendo "muito amigável e divertida," enquanto que outro disse que ela era "um diabo muito charmoso! Ela era traquinas e, pelo que vi, raramente se cansava. Era muito viva, e gostava muito de pôr os cães a representar em comédias mímicas , como se fossem cães de circo." No entanto um outro guarda apelidou-a de ofensiva e terrorista" e queixou-se de que, ocasionalmente, ela provocava tensões dentro da casa.

 

As 4 grã-duquesas no quarto que partilhavam em Tobolsk

 

A lenda de Anastasia começou na noite de 17 de Julho de 1918. A Grã-Duquesa seguiu o resto da sua família, levando o seu cão Jimmy nos braços para a cave da Casa Ipatiev onde todos terão sido executados.

De acordo com o Relatório de Yurovsky , o homem que comandou o fuzilamento, após a primeira vaga de disparos, as balas fizeram ricochete nas jóias que as Grã-Duquesas tinham cosido nos seus corpetes. Pouco depois Olga e Tatiana terão sido esfaqueadas com as baionetas dos soldados, enquanto que as outras duas estavam encostadas à parede, aterrorizadas a tapar a cara até serem executadas com balas dos soldados.

 

última fotografia conhecida de Anastasia

 

No entanto há também relatos que contradizem o que foi escrito por parte dos próprios soldados que mataram a família. Um deles, Peter Ermakov , contou à mulher que Anastasia tinha sido esfaqueada e não morta por tiros. Outros dizem que já quando os corpos estavam a ser transportados para o camião, a filha do czar começou a chorar e foi morta com um golpe na cabeça.

Nos anos que se seguiram ao massacre da Casa Ipatiev pelo menos 10 mulheres garantiram ser a Grã-Duquesa , sendo a mais famosa Anna Anderson . Com cada nova mulher que aparecia, chegava também uma nova história sobre como Anastasia e até os seus irmãos teriam sobrevivido.

 

 

Havia rumores de que Anastasia tinha sido salva por um dos guardas quando este reparou que ela estava viva, de que tanto ela como a irmã Maria tinham sido salvas por um padre em 1919 e que viveram como freiras num convento nos Montes Urais até à morte de ambas em 1964, os rumores chegaram também à Bulgaria onde um homem chamado Peter Zamiatkin que se dizia ser um guarda da família imperial, contou a um paciente de 16 anos de um hospital que tinha levado Anastasia e Alexis para Odessa e, mais tarde conseguiu escapar para Alexandria de navio. Os supostos filhos do czar teriam vivido com nomes búlgaros e morreram em 1954.

 

Anastasia durante uma actuação com a irmã Maria em 1912

 

 

Os rumores da possível sobrevivência de Anastasia foram também alimentados pelos relatos de que comboios e casas estariam a ser revistados pela polícia secreta dos bolcheviques que procurava Anastasia Romanov. “No curto espaço de tempo em que esteve presa em Perm durante 1918, a Princesa Helena Petrovna , esposa do primo distante da Grã-Duquesa , Principe Ioann Konstantinovich , contou que uma vez um guarda lhe trouxe uma rapariga que se apelidava de Anastasia Romanova à sua cela e lhe perguntou se aquela era a filha do czar. Helena Petrovna disse que não a reconhecia e então a rapariga foi levada novamente. Na mesma cidade corriam rumores de que algumas pessoas tinham visto Alexandra e as filhas depois do assassinato, mas nunca se deu grande importância à história

 

 

Uma outra história de que 8 testemunhas tinham assistido à captura de uma jovem que, aparentemente, tentava fugir do país em Setembro de 1918. Algumas dessas testemunhas identificaram a jovem como sendo Anastasia quando lhes foram mostradas fotografias da Grã-Duquesa por soldados do Exercito Branco que ainda tinham esperança de encontrar a família real com vida. Uma das testemunhas (um médico) disse aos membros do Exercito Branco que tinha tratado daquela jovem e que ela lhe tinha dito que era a filha do czar, Anastasia e que lhe tinha passado uma receita com esse nome. Mais tarde o Exercito Branco encontrou registos dessa receita. Durante o mesmo período em meados de 1918 várias pessoas usaram a identidade da família para obter ajuda para abandonar o país ou obter dinheiro.

 

 

Embora a hipótese de que alguém tivesse conseguido escapar na noite de 17 de Julho nunca tivesse sido levada a sério, existem alguns relatos de que seria possível um ou mais membros da família fugir com vida. Yakov Yurovsky exigiu que os guardas fossem ao seu escritório e entregassem os objectos pessoais que tivessem roubado dos corpos da família depois do homicídio . Segundo alguns guardas houveram espaços de tempo em que os corpos foram deixados sozinhos, na cave, no corredor e, mais tarde, no camião que faria o seu transporte, o que daria espaço de manobra a guardas que não tivessem participado no assassínio e tivessem feito amizade com a família teriam a oportunidade de salvar alguém que não tivesse morrido durante o massacre.

 

Para além disso, falou-se também na hipótese de que houve bastante nervosismo na altura de esconder os corpos, uma vez que faltavam dois que supostamente tinham caído do camião durante o seu difícil percurso.

 

 

Quando o tumulo dos Romanov foi aberto em 1989, depressa se chegou à conclusão de que faltavam dois corpos.

Recurrendo às maiores tecnologias da altura, duas equipas de cientistas (uma russa e uma americana) começaram a analisar aos corpos.

Quando chegou a altura de apresentar as conclusões, as duas equipas mostraram-se em desacordo quanto aos corpos que faltavam. Os americanos diziam ser os de Alexis e Anastasia , enquanto que os russos afirmavam serem os de Alexis e Maria.

Sem que esta polémica fosse de facto resolvida, o corpo de uma das Grã-Duquesas foi enterrado sob o nome de Anastasia Romanov em 1991.

 

 

Finalmente, no dia 30 de Abril de 2008, após 8 meses de análise a dois corpos encontrados em Agosto do ano passado, chegou-se à conclusão que todos os membros da família foram mortos na mesma noite.

 

 

Anastasia morreu aos 17 anos de idade


publicado por tuga9890 às 14:43
link do post | comentar | favorito
|
11 comentários:
De Victória a 16 de Novembro de 2010 às 22:23
Oi.

Dois anos após este relato, finalmente encontrei algo interessante para se ler sobre a família Romanov. Adorei o Blog, já é um dos meus prediletos. Sobre Anastácia, céus, como eu adoro a história, todo o contexto. Uma pena que ela realmente tenha sido assassinada. E acho que agora a história do assassinato dos Romanov finalmente foi concluída.

Observação besta. Nasci em 17 de julho!~


De taisa a 2 de Dezembro de 2010 às 16:34
adorei.......


De Joana a 22 de Janeiro de 2011 às 06:53
Olá!
Eu amei a história, só ñ compreendo o por que essa família sofreu um massacre desse tipo por conta dos soldados, já q elas o distraiam e até fazia amizade com eles?


De bárbara a 11 de Fevereiro de 2011 às 15:58
os romanov sairam do poder quando nicolau renunciou e seu irmão nao aceitou se tornar czar no lugar dele, os bolcheviques tomaram o governo da russia durante a revolução e mandaram sacrificar todos os romanov para que não holvesse possibilidade de o czarismo voltar


De Mauricio a 14 de Março de 2011 às 13:27
O exercito branco se aproximava de Ekaterimburgo e, certamente,tomaria a cidade. O medo dos bolcheviques é que livre o Czar ou aqueles de sua familia que ainda sobrevivessem, em especial Alexey, pudessem motivar uma contra-revolução imperial. Por isto da decisaõ de executar toda a família. É cruel, mas era lógico do ponto de vista estratégico, infelizmente!


De Lolo a 30 de Setembro de 2012 às 22:27
Na verdade, Nicolas(pai de anastácia) colocou a Russia na 1 guerra mundial ocacionando mortes, pois o armamento russo era precario. Isso provocou a revolução que tirou a família do poder. Eles foram exilados e quando houve uma outra guerra, eles foram mortos.


De Isadora a 4 de Abril de 2013 às 00:57
Amo a história dos Romanov, em especial, Anastasia. Desde pequena, quando li o livro de Anastasia Romanov, me interessei absurdamente pela história impactante desta linda jovem, que foi símbolo de força, por ter se mostrado tão pacífica mediante toda a guerra. Tento imaginar como aqueles momentos foram amargos e aflitivos para toda a família. Infelizmente, a conveniência e a ira predominaram.


De Karina Rodrigues a 23 de Agosto de 2011 às 20:40
A historia de fato é muito interessante, gosto muito da Anastacia ela foi uma garota incrivel é uma pena que tenha sido morta tão nova.
Mas a lição que fica é que para ser feliz não precisa ter dinheiro, basta ter pessoas que amamos ao nosso lado e saber aproveitar cada segundo desta vida.


De waleska a 30 de Outubro de 2011 às 19:50
A historia e maravilhosa ,decidi ler ,pois minha avo se chamava Anastacia,ela contava que tinha cido adotada quando mocinha,tinha os olhos azuis como descrevem os olhos de ANASTACiA,meu avo se chamava Alexandre era soldado na polonia e vei fugido por causa da guerra.diz ele que conheceu ela aqui. Nao sei quando nasceram nao ha documentos,do meu avo apenas consta ser estrangeiro. Os dois ja morreram na decada de 80 aos 80 e poucos anos ,nao sei muito mas sobre eles a familia e reservada,eu era menina nao convivia com eles minha avo nao era muito certa da cabeca,gostavam de se isolar.achei muito intere. A historia pelo motivo de meus avos paternos terem o mesmo nome .


De waleska a 30 de Outubro de 2011 às 19:51
A historia e maravilhosa ,decidi ler ,pois minha avo se chamava Anastacia,ela contava que tinha cido adotada quando mocinha,tinha os olhos azuis como descrevem os olhos de ANASTACiA,meu avo se chamava Alexandre era soldado na polonia e vei fugido por causa da guerra.diz ele que conheceu ela aqui. Nao sei quando nasceram nao ha documentos,do meu avo apenas consta ser estrangeiro. Os dois ja morreram na decada de 80 aos 80 e poucos anos ,nao sei muito mas sobre eles a familia e reservada,eu era menina nao convivia com eles minha avo nao era muito certa da cabeca,gostavam de se isolar.achei muito intere. A historia pelo motivo de meus avos paternos terem o mesmo nome .


De Lia mariane a 15 de Novembro de 2012 às 02:19
Olá, gostaria que reparassem na quarta foto de Anastasia a partir da última, ou seja, começar olhando as fotos do fim pro começo. Reparem que há uma figura estranha junto a menina deitada no sofá. Será que é uma pessoa ou um fantasma?


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


.arquivos

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Outubro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Fevereiro 2009

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

.Fotos

Há quem diga que todos os segundos da vida dos Romanov foram documentados em fotografia. Aqui ficam alguns exemplos:

.Questionário


Get your own Poll!

.Vídeos

.tags

. todas as tags

.links

.posts recentes

. O blog encontra-se agora ...

. Casamentos Morganáticos -...

. Reacção do Grão-duque Pau...

. Outros - Entrevista à Grã...

. Outros - Entrevista à Grã...

. Notícias - Mais um álbum ...

. Os Ramos da Família Roman...

. Curiosidades - Possível f...

. Filme - "Catherine, the G...

. Outros - Vitória Battenbe...

. Os Ramos da Família Roman...

. Os Ramos da Família Roman...

.Visitas

web polls easy
web polls

blogs SAPO

.subscrever feeds