Sábado, 25 de Abril de 2009

Czares da Rússia - Alexandre I e Família

 

Nome: Alexandre Pavlovich Romanov (Alexandre I da Rússia)

Pais: Paulo I da Rússia e Maria Feodorovna (Sofia Doroteia de Württemberg).

Nascimento: 23 de Dezembro de 1777

Reinado: 23 de Março de 1801 - 1 de Dezembro de 1825

 

 

Principais Reformas:

 

  • É principalmente conhecido pelo papel desempenhado durante as Guerras Napoleónicas na Rússia onde ofereceu uma derrota pesada às tropas francesas que determinou o inicio da queda do Imperador francês;
  • Aboliu a censura e a tortura no inicio do seu reinado e começou a organizar projectos para o fim da escravatura e a instauração de uma Monarquia Constitucional. Foi escrita uma Constituição que foi aprovada pelo Czar, mas as pressões de conservadores e a ideia geral de que seria impossível controlar uma Rússia liberal, deixaram o documento esquecido e por assinar;
  • Foram criados um Conselho de Estado e um Senado Governativo com o objectivo de balançar o poder do Czar, mas estes rapidamente se tornaram em apenas orgãos de poder figurativo sem qualquer tipo de influência na governação;
  • Na política externa esforçou-se por uma aproximação à Europa, restaurando relações com o Reino Unido e Irlanda e formando novas alianças com a Aústria, Alemanha ou Itália;

 

 

Família

 

Consorte: Isabel Alexeievna (Luísa de Baden)

 

 

Luísa tinha apenas 12 anos quando a Imperatriz Catarina, a Grande, avó de Alexandre I, decidiu que deveria ser ela a noiva do seu neto mais velho. A matriarca Romanov convidou-a a ela e à irmã Frederica a visitar a Rússia no Outono de 1792 quando ela foi apresentada pela primeira vez ao Grão-duque Alexandre.

 

Ambos eram muito tímidos e novos, não fazendo a mínima ideia do que fazer um com o outro. Luísa achou Alexandre bonito e ele gostou da personalidade dela e, com o tempo, acabaram por ficar mais confortáveis um com o outro, o que agradou imensamente a Imperatriz. O noivado foi anunciado em Maio de 1793 e o casamento realizou-se no dia 28 de Setembro do mesmo ano. Alexandre tinha 15 anos e Luísa 14.

 

 

Nos primeiros tempos o casamento foi feliz. Isabel sentia-se intimidada pela grandeza da corte russa para a qual não estava preparada. Os escandalos sexuais impressionaram-na particularmente e ela ficou espantada ao saber que o adultério era visto apenas como mais um passatempo. O próprio amante de Catarina, a Grande, Platon Zubov, tentou seduzir a jovem Grã-duquesa.

 

Numa carta à sua mãe, Isabel disse não se sentir confortável no seu novo mundo e que a única coisa que lhe dava coragem era o apoio e amor do marido. No entanto, após a morte de Catarina I, Alexandre tornou-se Czarevich da Rússia, um cargo que lhe retirava mais tempo (mais pelas conspirações que começava a organizar contra o seu pai) e passou a neglegenciar a esposa. Eventualmente Alexandre começou a arranjar amantes, um facto que chegou aos ouvidos de Isabel.

 

Sentindo-se sozinha e magoada com o marido, Isabel encontrou também o seu amante no melhor amigo de Alexandre, o Príncipe Polaco Adam Czartoryski. Após cinco anos de casamento sem produzir qualquer filho, a esposa do Czarevich viu-se súbitamente grávida. Alexandre assumiu a criança, como seria de esperar, mas, durante o baptizado da pequna Grã-duquesa Maria Alexandrovna, o próprio Czar Paulo I disse achar curioso a bebé de duas pessoas loiras e de olhos azuis ser morena e ter olhos escuros. A bebé morreu poucos meses depois e o amante de Isabel afastado da corte.

 

 

Ao longo dos anos, tanto Alexandre como Isabel manteram outros amantes. O Imperador teve um grande número de filhos ilegitimos com várias das suas amantes, sendo a mais célebre a Princesa Maria Naryshkina com quem manteve uma relação de 15 anos da qual nasceram três crianças.

 

Isabel manteve o seu romance com Adam Czartoryski após o regresso dele à corte. A relação terminou quando Isabel conheceu o soldado Alexis Okhotnikov com quem partilhou uma relação intensa. Em 1806, quando ela teve a sua segunda e última filha, a Grã-duquesa Isabel Alexeievna, voltaram a erguer-se rumores de que ela era filha do soldado. Ele acabaria por ser assassinado, provavelmente por ordem do Czar Alexandre ou do seu irmão, o Grão-duque Constantino Pavlovich. A bebé apenas viveu por 15 meses, um golpe que deixou Isabel devastada para o resto da vida.

 

 

Chegada aos 40 anos, a beleza de Isabel começou a desaparecer rapidamente e ela passou a rejeitar os seus pretendentes, refugiando-se na religião. Alexandre estava a passar por uma fase similar após as esgotantes campanhas contra Napoleão na Rússia. Os dois aproximaram-se novamente, voltando a apaixonar-se novamente após anos de separação.

 

Os seus últimos anos de vida foram os mais dedicados de todo o casamento.

 

Sem filhos legítimos, o trono russo passou para o irmão mais novo de Alexandre, o Grão-duque Constantino Pavlovich, mas ele recusou-o, passando-o assim para o irmão de ambos, Nicolau I da Rússia.

 

 

Curiosidade: Acredita-se que terá sido Alexandre um dos responsáveis pelo assassinato do seu pai, o Czar Paulo I da Rússia. Há quem defenda que ele queria ver apenas o seu pai afastado do trono e ficou chocado por saber da morte dele, o que pode explicar a sua mudança para uma personalidade extremamente religiosa após as Revoluções Francesas.

 

Morte Misteriosa

 

 

Oficialmente, Alexandre I terá morrido de Febre Tifóide, no sul da Rússia, no dia 1 de Dezembro de 1825. No entanto uma série de teorias rodeiam a verdadeira história.

 

O facto de um Czar morrer subitamente, longe da capital do Império, sempre levantou dúvidas. Uma das primeiras teorias que é até hoje aceite por muitos, diz que o Czar fingiu a sua morte para abandonar o trono sem o escândalo que traria uma abdicação. O caixão tranportado para São Petersburgo contendo o suposto corpo do Czar estaria vazio ou então com o corpo de um soldado. Depois da troca, Alexandre terá vivido como monge num convento ortodoxo na Sibéria.

 

Existe mesmo um lenda sobre o heremita Feodor Kuzmich, canonizado como santo pela Igreja Ortodoxa, morto em Tomsk, na Sibéria, em 1864, que diz ter sido ele o Czar Alexandre I. Embora vista como demasiado rebuscada por alguns, existem historiadores que acreditam verdadeiramente no conto e concordam com a teoria de que Feodor e Alexandre eram a mesma pessoa.

 

Verdade ou mito, existe um facto inegável. Em 1925, em pleno regime comunista, o tumulo do Czar Alexandre I foi aberto. O caixão estava vazio.


publicado por tuga9890 às 09:16
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 23 de Abril de 2009

Livro - "A Paixão do Príncipe Yussupov" de José Maria Alvarez

 

«A Paixão do Príncipe Yussupov», que originalmente se chamou «A Caça à Raposa», é, tal como o próprio desporto, uma história de amor, perseguição, violência, elegância e desespero.


1934, uma a uma, as potências europeias caem nas mães de sistemas totalitários fascistas. O príncipe Felix Felixovich Yussupov, Conde Sumarokov-Elston, passa um Verão de tédio em Biarritz, dedicando-se a recordar o passado glorioso da belle époque. Ele é um dos assassinos do detestável monge Rasputin e familiar dos czares depostos, é admirado por todos os seus companheiros de exílio… Mas, secretamente, anseia por algo diferente, escandaloso até!


Michèle é prostituta num bordel de segunda categoria e, apesar de ainda ser muito nova, a sua vida já é marcada pelo abuso, pela pobreza e pela imperiosa necessidade de fazer tudo para sobreviver. A mulher anseia apenas encontrar um cliente suficientemente rico e ingénuo para a sustentar… então conhece Yussupov e o encontro dos dois mundos terá consequências verdadeiramente revolucionárias.

 

Imagem tirada daqui.

 

Príncipe Félix Yussupov por volta de 1934

 


publicado por tuga9890 às 17:18
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 22 de Abril de 2009

Biografia - Pierre Gilliard

Pierre Gilliard (esquerda) com o Czarevich Alexei Nikolaevich

 

Pierre Gilliard nasceu em 1879 na Suíça. Ficou mais conhecido por ter sido o tutor de francês dos cinco filhos do Czar Nicolau II entre 1905 a 1918. Anos depois do assassinato da Família Imperial pelos bolcheviques, Gilliard escreveu o livro “Thirteen Years at the Russian Court”, relatando as suas memórias do tempo que passou com a família. Neste livro, Gilliard descreve o tormento da Czarina com a Hemofilia do filho e como apenas confiava no monge siberiano Rasputine para o curar.

Nestas memórias, Gilliard conta como chegou à Rússia em 1904 para ser o tutor da família do Duque Jorge de Leuchtenberg, um neto do Czar Nicolau I da Rússia e primo da família Romanov. Ele foi recomendado para tutor de francês para os filhos do Czar e iniciou as suas funções com as duas filhas mais nova, a Grã-duquesa Olga Nikolaevna e a Grã-duquesa Tatiana Nikolaevna, em 1905. Em 1907 iniciou as suas aulas com a Grã-duquesa Maria, em 1909 com a Grã-duquesa Anastásia e, finalmente, em 1912, com o Czarevich Alexei Nikolaevich.

 

Pierre Gilliard com as Grã-duquesas Olga Nikolaevna e Tatiana Nikolaevna

 

Gilliard tornou-se muito ligado às crianças e aos seus pais, decidindo acompanhá-los para o exílio de livre vontade após a Revolução Russa de 1917. Acompanhou-os fielmente durante a sua estadia no Palácio de Alexandre e na Casa do Governador em Tobolsk, sendo o principal autor das últimas fotografias da família, tiradas durante os dias de exílio.


Chegados a Ekaterinburgo em Maio de 1918, os bolcheviques impediram-no de se juntar à família devido à sua nacionalidade suíça. Gilliard descreveu a última vez que viu os seus alunos:


“O marinheiro Nagorny, que cuidava do Alexei Nikolaevich, passou pela minha janela carregando o rapaz doente nos braços, atrás dele vinham as Grã-duquesas carregadas com sacos e pequenos pertences. Tentei sair, mas fui brutalmente puxado de volta para a carruagem por uma sentinela. Voltei para a janela. A Tatiana Nikolaevna vinha em último lugar, carregando o seu pequeno cão e esforçando-se por arrastar o seu pesado malão castanho. Estava a chover e eu vi os pés dela enterrarem-se na lama a cada passo. O Nagorny tentou ajudá-la, mas foi brutalmente afastado por um dos comissários."

 

Pierre Gilliard (ao fundo) com as Grã-duquesas Olga Nikolaevna e Tatiana Nikolaevna e outros empregados em Tobolsk, na Primavera de 1918

 

Gilliard permaneceu na Sibéria por mais três anos após o assassinato da família, ajudando o investigador do Exército Branco Russo, Nicholas Sokolov, com a investigação. Em 1919, casou-se com Alexandra “Shura” Tegleva, que tinha sido uma das amas da Grã-duquesa Anastásia Nikolevna. Mais tarde tornaria-se professor de Francês na Universidade de Lausenne e foi condecorado com a Honra da Legião Francesa.


Gilliard tornar-se-ia um opositor veemente de Anna Anderson, a mulher que dizia ser a Grã-duquesa Anastásia. A irmã mais nova do Czar Nicolau, a Grã-duquesa Olga Alexandrovna, comentou sobre Gilliard e Anna Anderson:


“É obvio que ela não gosta nada dele e a pequena Anastásia era-lhe devota.”

 

Uma das últimas fotografias tiradas por Gilliard à família imperial

 

De acordo com Peter Kurth, um defensor contemporâneo de Anna Anderson, Gilliard não tivera tanta certeza de que ela estava a mentir da primeira vez que a conheceu- Gilliard e a sua esposa Shura foram convidados pela Grã-duquesa Olga Alexandrovna para visitar Anderson no hospital de Berlim em 1925. Peter Kurth alega que Shura terá reparado na mesma deformação nos pés de que sofria a Grã-duquesa Anastásia. O mesmo autor diz que, numa visita posterior, Anderson deitou perfume de um frasco para a mão de Shura e pediu-lhe que ela lhe esfregasse a testa com ele. A antiga ama terá dito que a Grã-duquesa costumava fazer a mesma coisa quando era pequena. Gillard, contudo, ficou céptico quando Anderson não o reconheceu imediatamente e não lhe respondeu às perguntas por ele colocadas.

 

Gilliard (esquerda) com o Czarevich Alexei Nikolaevich, a Grã-duquesa Olga Nikolaevna e o marinheiro Nagorny em 1913

 

De acordo com Peter Kurth, a amiga e apoiante de Anna Anderson, Harriet von Rathlef, alegadamente escreveu que tinha visto Gilliard no corredor, agitado e a murmurar em francês, “Meu Deus, que horror! No que se tornou a Grã-duquesa Anastásia? Ela está um caos, um verdadeiro caos! Quero fazer o que puder para ajudar a Grã-duquesa.” Shura chorou quando teve de deixar Anderson, perguntando-se porque gostava tanto da mulher como gostava da Grã-duquesa. De acordo com Peter Kurth, Gilliard disse ao Embaixador Zahle que, “Vamos embora sem conseguir dizer que ela não é a Grã-duquesa Anastásia.”

 

Gilliard (direita) com o Czarevich Alexei e o Czar Nicolau II na Finlândia

 

Diz-se que o casal escreveu várias cartas amigáveis a Anna Anderson. Algumas semanas mais tarde, Peter Kurth diz que, depois de conhecer a história da mulher, Gilliard mudou a sua posição.


Gilliard escreveu artigos e um livro intitulado “A Falsa Anastásia” contra ela e chamou-a de “aventureira vulgar” e “actriz de primeiro grau”. Também testemunhou contra ela no julgamento iniciado nos anos 30 para determinar se ela era ou não a Grã-duquesa.

 

Uma das fotografias mais conhecidas de Gilliard, mostrando as crianças imperiais com a cabeça rapada no Verão de 1917

 

Gilliard ficou gravemente ferido num acidente de automóvel em 1958 e morreu quatro anos depois devido a complicações derivadas dos mesmos. Está enterrado em Lausanne, na Suíça.

 

Gilliard com o Czarevich Alexei Nikolaevich durante a Primeira Guerra Mundial

 


publicado por tuga9890 às 09:23
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
|
Segunda-feira, 20 de Abril de 2009

Livros - "A Noiva Romanov" lançado em Portugal

 

O novo livro de Robert Alexander, autor de "The Kitchen Boy - Os Últimos Dias dos Romanov" e "A Filha de Rasputine" acaba de ser publicado em Portugal.

 

Desta vez a história centra-se na irmã mais velha da Czarina Alexandra Feodorovna, Grã-duquesa Isabel Feodorovna, conhecida na família por "Ella".

 

Considerada uma das mais bonitas princesas da Europa da sua época, Ella casou-se com o Grão-duque Sérgio, o Governador-Geral de Moscovo, e viu-se atirada para o mundo opulente do regime imperial russo. Mas Ella sempre permaneceu a pessoa boa e protectora que era enquanto criança. O romance conta a história de Isabel na primeira pessoa, quando o mundo dela é destruído pelo caos da Revolução Russa e por um jovem camponês, Pavel, que, atraído para o centro do movimento revolucionário, vê-se envolvido num caminho que o vai cruzar com a Grã-duquesa e terá resultados fatais.

 

<meta content="Word.Document" name="Prog


publicado por tuga9890 às 14:09
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Sábado, 18 de Abril de 2009

Czares da Rússia - Nicolau I e família

 

Nome: Nicolau Pavlovich Romanov (Nicolau I da Rússia)

Pais: Paulo I da Rússia e Maria Feodorovna (Sofia Doroteia de Württemberg).

Nascimento: 6 de Junho de 1796

Reinado: 1 de Dezembro de 1825 - 2 de Março de 1855

 

 

Principais Reformas:

 

  • Iniciando o seu reinado em plena Revolta Decembrista, Nicolau desde cedo assumiu o seu papel de autocrata, reprimindo todos os movimentos revolucionários e sociedades secretas que conseguiu.
  • Considerou a ideia de abolir a escravatura, mas temia a revolta dos senhorios, por isso limitou-se a melhorar as condições dos servos.
  • Apostou na cultura do país, iniciando a internacionalização dos artistas russos. Investiu também em melhorias tecnicas, sendo o primeiro czar a usar o telégrafo.
  • Ofereceu-se para ajudar a travar os movimentos revolucionários pela Europa, contribuindo com tropas russas. Mais tarde tentou reduzir as liberdades constitucionais e parlamentares na Polónia, o que lhe valeu o rebendar da Revolta de Novembro em 1831.
  • No final do seu reinado envolveu-se na Guerra da Crimeia que terminaria já depois da sua morte.

 

Família:

 

Consorte: Alexandra Feodorovna (Carlota da Prússia)

 

 

 

 

Ao contrário da maioria dos casais reais da época, Nicolau e Carlota partilhavam uma boa relação e eram realmente devotos um ao outro. Nicolau conheceu-a quando ele e o seu irmão mais novo, Miguel, fizeram uma visita oficial a Berlim em 1814. O casamento começou a ser imediatamente planeado entre as duas famílias embora os dois apenas se tivessem apaixonado no ano seguinte.

 

De acordo com relatos da época, Nicolau foi sempre fiel à sua esposa até os últimos anos de casamento quando arranjou uma amante devido aos conselhos do médico de Carlota para que ela não volasse a ter relações sexuais. Carlota mantinha uma boa relação com a amante do marido.

 

Juntos tiveram 10 filhos dos quais 7 sobreviveram até à idade adulta.

 

Nicolau I da Rússia com a sua esposa e filhos imitando uma gravura da idade média

 

Filhos:

 

Alexandre II da Rússia

 

 

Maria Nikolaevna Romanova

 

Nascida em 1819, Maria foi a primeira filha do casal. Foi desde sempre uma defensora das artes, chegando mesmo a presidir a Academia das Artes de São Petersburgo. Em 1839 casou-se com o Príncipe Maximiliano de Leuchtenberg, um neto da Imperatriz Josefina da França, de quem teve 7 filhos. Como ele era o filho mais novo numa casa real mínima europeia, o casal pôde ficar a viver em São Petersburgo, junto dos pais de Maria.

 

Olga Nikolaevna Romanova

 

Nascida em 1822 depois da sua mãe ter perdido um bebé dois anos antes. Tornou-se Rainha de Wütenburg através do seu casamento com o futuro rei Carlos I de Wüttenburg. Talvez devido à discutida homossexualidade do seu marido, Olga nunca teve filhos, dedicando a vida a obras de caridade no seu país adoptivo. Mais tarde receberia e cuidaria da sua sobrinha, a Grã-duquesa Vera Constantinovna da Rússia.

 

Alexandra Nikolaevna Romanova

 

Nascida em 1825, Alexandra era a filha preferida do pai que dizia ser ela a única a ter herdado o aspecto prussiano da mãe. Tinha uma personalidade amigável e uma relação próxima da sua irmã Olga. Em 1844, Alexandra casou-se com o Príncipe Frederico Guilherme de Hesse. Acabaria por morrer ao dar à luz o único filho do casal que morreu ainda antes da mãe. Tinha 21 anos.

 

Constantino Nikolaevich Romanov

 

Nascido em 1827, foi a mente por detrás de todas as reformas do seu irmão Alexandre II da Rússia. Casou-se com a Princesa Alexandra de Saxe-Altenburgo de quem teve seis filhos, iniciando o ramo "Constantinovich" da família Romanov. A sua filha, Olga Constantinovna tornar-se-ia rainha da Grécia.

 

Nicolau Nikolaevich Romanov

 

Nascido em 1833, era um apaixonado pela vida militar, ingressando no exercito através da sua posição como Grão-duque. As suas intervenções militares foram desastrosas, particularmente durante a Guerra Russo-Turca, o que levou ao seu afastamento das forças militares. Casou-se com a Princesa Alexandra de Oldenburgo de quem teria 2 filhos, o Grão-duque Pedro Nikolaevich e o Grão-duque Nicolau Nikolaevich (que seria mais tarde um importante general no reinado no Czar Nicolau II). Actualmente o seu bisneto, Príncipe Nicolau Romanovich, compete pela titularidade da Casa Real dos Romanov.

 

Miguel Nikolaevich Romanov

 

O filho mais novo do Czar nasceu em 1832. Extremamente devoto religiosamente e conservador, ao contrário dos seus irmãos. Casou-se com a Princesa Cecília de Baden de quem teve 7 filhos, formando o ramo "Mikhailovich" da família Romanov. Três dos seus filhos foram assassinados durante a Revolução Russa enquanto um deles, Alexandre, se casaria mais tarde com a Grã-duquesa Xenia Alexandrovna.

 

***

 

Causa de morte: Pensasse que se terá envenenado a si próprio após a derrota russa na batalha de Eupatoria durante a Guerra da Criméia.

 

 

 


publicado por tuga9890 às 09:47
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 37 seguidores

.pesquisar

 

.Dezembro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


.arquivos

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Outubro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Fevereiro 2009

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

.Fotos

Há quem diga que todos os segundos da vida dos Romanov foram documentados em fotografia. Aqui ficam alguns exemplos:

.Questionário


Get your own Poll!

.Vídeos

.tags

. todas as tags

.links

.posts recentes

. O blog encontra-se agora ...

. Casamentos Morganáticos -...

. Reacção do Grão-duque Pau...

. Outros - Entrevista à Grã...

. Outros - Entrevista à Grã...

. Notícias - Mais um álbum ...

. Os Ramos da Família Roman...

. Curiosidades - Possível f...

. Filme - "Catherine, the G...

. Outros - Vitória Battenbe...

. Os Ramos da Família Roman...

. Os Ramos da Família Roman...

.Visitas

web polls easy
web polls

SAPO Blogs

.subscrever feeds