Terça-feira, 9 de Setembro de 2008

Curiosidades - As Vitimas da Família Imperial Russa (1ª parte)

Quando o Czar Nicolau II abdicou do trono no dia 2 de Março de 1917 estavam 53 Romanovs a residir na Rússia. Desses membros da família 18 foram presos. Entre Junho de 1918 e Janeiro de 1919 todos, com excepção do Grão-Duque Nicolau Constantinovich que morreu de causas naturais durante a sua detenção, seriam assassinados por bolcheviques em vários pontos da Rússia. Fica uma lista com dados bibliográficos das vítimas imperiais da revolução russa.

 

Revolução Russa

 

Dia 13 de Junho de 1918:
 

A primeira vítima da onda de assassinatos da família imperial após a revolução é o irmão mais novo do Czar, o Grão-Duque Miguel Alexandrovich, morto a tiro juntamente com o seu secretário perto de Perm, na região Ural. Para ler biografia clique aqui.

 

Miguel Alexandrovich, irmão mais novo do Czar

 

Dia 17 de Julho de 1918:
 

A família imperial principal é assassinada na cave da Casa Ipatiev juntamente com o médico, a dama-de-companhia, o cozinheiro e um criado. No total este dia resultou em 7 vítimas da família.

 

Nicolau II, a esposa e os 5 filhos durante as celebrações de Páscoa em Livadia

 

Dia 18 de Julho de 1918:
 

Um grupo de prisioneiros da família transferidos para Ekaterinburgo duas meses antes é atirado para uma mina com 20 metros de profundidade e, de seguida, são atiradas granadas como golpe final quando os prisioneiros começam a cantar hinos de exaltação russos. A maioria, no entanto, morreria apenas nos dias que se seguiram por ferimentos não tratados ou falta de água. Mais tarde todos foram canonizados pela Igreja Ortodoxa Russa. Os prisioneiros eram:

 

Grã-Duquesa Isabel, irmã da Czarina Alexandra. (Biografia)

 

Grão-Duque Sergei Mikhailovich

 

 

Nascido no dia 7 de Outubro de 1869, Sergei era neto do Czar Nicolau I pelo seu quarto filho, Miguel Nikolaevich. Sempre se sentiu atraído pela vida militar e ingressou em vários regimentos durante a sua adolescência e juventude. Era muito próximo do seu irmão Alexandre com quem fez uma viagem à Índia em 1891. Quando regressaram à Rússia, ambos se apaixonaram pela filha mais velha do Czar Alexandre III, Xenia Alexandrovna, mas ela acabou por escolher Alexandre para casar em 1894. Nesse mesmo ano o irmão velho de Xenia, o futuro Czar Nicolau II, teve de acabar a relação que mantinha com a bailarina Mathilde Kschessinskaya e pediu a Sergei que tomasse conta dela. O Grão-Duque aceitou a proposta e começou uma relação com a bailarina que apenas usufruía da sua posição (Sergei era presidente da associação imperial de teatro) para subir na carreira. Sergei sabia-o, mas mesmo assim continuou a ser um amigo próximo de Mathilde. Em 1900, a bailarina conheceu o Grão-Duque Andrei Vladimirovich, filho do primo de Sergei e começou uma relação com ele que causou uma relação tempestuosa entre os dois primos. Em 1902 ela teve um filho de Andrei, mas deu-lhe o nome de Sergei e foi ele que a ajudou a cuidar da criança.

 

Quando começou a Primeira Guerra Mundial, Sergei estava gravemente doente devido a uma febre reumática que contraiu durante uma viagem e à qual se seguiu uma violenta Pleurisia. Depois de 5 meses preso à cama, Sergei assumiu o seu posto como Chefe do Departamento de Artilharia do Exercito. Essa posição trouxe-lhe inúmeros rumores de corrupção e incompetência e ele teve de se demitir do cargo em 1916 para se tornar apenas Inspector de Artelharia. Durante a guerra o Grão-Duque viveu no mesmo edifício do seu primo Nicolau II e, muitas vezes, tentou convencê-lo a abandonar a guerra, mas ele recusou. As suas constantes tentativas de persuasão de Nicolau fizeram com que fosse odiado pela sua esposa Alexandra. Quando rebentou a Revolução de Fevereiro, Sergei escolheu ficar em Mogilev onde tinha lutado durante a guerra.

 

Sergei regressou a Petrogrado no inicio de Junho de 1918 e, juntamente com os restantes membros masculinos da família que ainda se encontravam na cidade, foi chamado ao posto de comando da Tcheca (policia politica do regime) onde o informaram de que estava proibido de deixar a cidade. Poucas semanas depois foi chamado novamente, desta vez para receber ordens de exílio e partiu juntamente com outros 4 membros da famíliae o secretário para a cidade de Viatka nos Montes Urais. Durante 11 dias os prisioneiros puderam deslocar-se livremente pela cidade, mas tudo acabou quando foram transferidos para Ekaterinburgo no dia 3 de Maio de 1918. Aí juntaram-se à Grã-Duquesa Isabel Feodorovna e ficaram confinados a um hotel na cidade até serem novamente transferidos novamente no dia 18 do mesmo mês para Alapayevsk onde ficaram alojados numa antiga escola. A única liberdade que tinham era passear pelas salas de aula sob a supervisão dos guardas. Sergei partilhou a sala de aula que lhe servia de quarto com o seu secretário e o Príncipe Paley, filho do Grão-Duque Paulo.

 

No dia em que foram encaminhados até à mina, Sergei foi o único que se atreveu a desobedecer e tentou lutar com os guardas que o alvejaram mortalmente e atiraram o seu cadáver para a mina. Morreu aos 48 anos de idade.

 
Príncipe João Constantinovich
 
 

Nasceu no dia 5 de Julho de 1886 e era o filho mais velho do Grão-Duque Constantino Constantinovich, neto do Czar Nicolau I pelo seu segundo filho Constantino Nikolaevich. Era um jovem sensível, gentil e muito religioso. Durante a juventude chegou a considerar tornar-se num monge ortodoxo, mas apaixonou-se pela Princesa Helena da Sérvia com quem se casou no dia 2 de Setembro de 1911. Foram um casal muito feliz e tiveram dois filhos: um rapaz, Vsevolod Ivanovich nascido em 1914, e uma rapariga chamada Catarina Ivanovna nascida em 1915. A filha de João foi o último membro da família imperial a nascer antes da queda da dinastia e viveu até ao dia 13 de Março de 2007.

 

O Principe lutou na Primeira Guerra Mundial onde foi condecorado como herói. Quando rebentou a Revolução Russa de 1917 ele estava a lutar na frente de combate. Em Abril de 1918 foi exilado e morreu com apenas 32 anos de idade.

 

Principe Constantino Constantinovich

 

 

Nasceu no dia 1 de Janeiro de 1891 e era o quarto filho do Grão-Duque Constantino Constantinovich, por isso irmão mais novo do Principe João Constantinovich.

 

O Príncipe era um rapaz calado e tímido que gostava de teatro e foi educado na “Corps dês Pages”, uma academia militar em São Petersburgo. Quando começou a Primeira Guerra Mundial tinha 23 anos e juntou-se a um dos regimentos do Czar e foi descrito como sendo muito modesto e adorado pelos seus companheiros que destacaram a sua valentia. Constantino nunca pediu a protecção a que tinha direito pelo seu título e arriscava a sua vida no campo de batalha tal como os seus companheiros.

 

Depois de ver a felicidade dos seus irmãos mais novos, João e Tatiana, Constantino também quis começar a sua própria família. Gostava da sua prima Olga (filha mais velha do Czar), mas também da Princesa Isabel da Roménia, mas nunca chegou a ter tempo de pedir nenhuma das duas em casamento. Depois de passar três anos na frente de combate foi exilado com dois dos seus irmãos e dois primos e morreu com eles aos 27 anos de idade. O seu corpo foi mais tarde enterrado no cemitério ortodoxo de Pequim que foi destruído durante a Revolução Cultural chinesa.

 

Príncipe Igor Constantinovich

 

 

Nasceu no dia 10 de Junho de 1894 e era irmão mais novo de João e Constantino Constantinovich. Tal como os irmãos, era gentil, simpático e educado que gostava de teatro e adorado por todos que o conheciam. Frequentou a mesma academia militar que os irmãos.

 

Durante a Primeira Guerra Mundial foi capitão do Regimento da Guarda Ismailovsky e foi condecorado como herói, no entanto a sua saúde era bastante frágil. Sofreu de Pleurisia e outras complicações pulmonares em 1915 e quando regressou às trincheiras não conseguia andar muito depressa e tossia sangue frequentemente.

 

Foi exilado com os irmãos e primos e morreu aos 23 anos. O seu corpo foi, mais tarde, enterrado em Pequim juntamente com o dos irmãos, no mesmo cemitério ortodoxo que foi transformado num parque.

 

Principe Vladimir Pavlovich Paley

 

 

Nasceu no dia 9 de Janeiro de 1897 e era um conhecido poeta. O seu pai era o Grão-Duque Paulo que se casou com a sua mãe sem a autorização do Czar depois de a sua primeira esposa, a Princesa Alexandra da Grécia, morrer ao dar à luz o meio-irmão de Vladimir, Dmitri que foi um dos assassinos de Rasputine e, por isso, nasceu sem qualquer título. No entanto, à medida que os pretendentes ao trono iam morrendo, o pai de Vladimir aproximava-se, por isso o Czar Nicolau II elevou-o a Conde em 1904 e, finalmente, a Príncipe em 1915.

 

Vladimir tinha dois meios-irmãos do primeiro casamento do pai (Maria Pavlovna e Dmitri Pavlovich) e três do primeiro casamento da mãe (Alexandre, Olga e Mariana von Pistohlkors). Além dos meios-irmãos tinha duas irmãs biológicas chamadas Irina e Natália Pavlovna.

 

Passou a sua infância em Paris e mais tarde frequentou a mesma academia militar dos primos Constantinovich em São Petersburgo. Lutou pelo lado russo na Primeira Guerra Mundial e foi condecorado com a Ordem de Santa Ana pelos seus esforços.

 

Desde a adolescência, Vladimir mostrou um grande talento para a poesia e publicou dois livros com os seus poemas em 1916 e em 1918 além de várias peças e ensaios. Também foi ele que traduziu a peça do Grão-Duque Constantino Constantinovich, “O Rei dos Judeus” para francês.

 

No Verão de 1917 ele e a sua família foram condenados a prisão domiciliária devido a um poema que ele tinha escrito sobre o chefe do Governo Provisório, Alexandre Kerensky. Em Março de 1918 foi preso pelos bolcheviques e enviado para exílio com os seus primos. O seu pai foi preso em São Petersburgo.

 

Vladimir morreu aos 21 anos.

 

 

 

 

 


publicado por tuga9890 às 10:00
link do post | comentar | favorito
|
5 comentários:
De sitios de juego a 20 de Abril de 2009 às 19:06
Y hay todavía los que crén que la princesa Anastasia se ha salvado por que no lograron identificar su cuerpo. Hay algo de verdad en eso?


De tuga9890 a 20 de Abril de 2009 às 20:40
Receio que a única verdade nisso seja a lenda. Os primeiros 9 corpos da família foram encontrados em 1998 e os outros dois no ano passado, o que prova que todos os membros da família foram mortos. Incluindo a Anastásia.


De Iván a 6 de Dezembro de 2010 às 19:28
Hola me llamo IVÁN , he leido un libro sobre los romanov , primero me parece una familia imperial extraordinaria , una gente que se les trato como basura en sus ultimos momentos , no entiendo como el pueblo de rusia podian odiar a un hombre que adoraba a rusia , que daba su vida por rusia , a una zarina que daba lo que fuera por rusia , que se pasaba las mañanas en los hospitales curando a los enfermos y heridos en la querra , a esas 2 hijas , olga y tatiana que acompañaban a su madre y hacian lo que podian , a ese niño llamado alexis , lo que tenia que ser para el el sufrir hemophilia , y esas 2 hijas maria y anastasia tan alegres y simpaticas que se les tratara de esa manera no tiene nombre , matar 4 muchachas y a un niño inocentes y a 2 personas que adoraban rusia no tiene nombre , lo que hizo el pueblo de rusia con esta familia imperial .


De Ismael Luís a 22 de Junho de 2011 às 13:30
É incrível que ainda acreditem na morte dos Romanov: é totalmente lendária a história. A morte da família imperial mais parece um conto de fadas de 3ª categoria, além do mais, o exame de DNA apresentado é como o Plebiscito Democrático apresentado na Chechênia: mais falso que nota de R$3,00.É a história mais mentirosa que eu tenho conhecimento, como "um pente inteiro de balas ser necessário para matar o príncipe Alexei" um cara que já tava com os pés na cova, por favor né????? Aliás, disseram uma vez que Anastásia não foi encontrada, outra vez que é a Maria?????!!!!!! Misericórdia, acorda gente!


De Shimon Goldwyn a 3 de Julho de 2012 às 01:53
Para que se mentiria á respeito de algo tão carregado de valores? Você pode responder-me? Se a história fala dos assassinatos dos Romanov,pela maquina que passou a fazer 0 controle Social, na mãe Rússia por que é fato.Prove ao contrário!
Alias deves ser do PT,que hoje faz o controle Social no Brasil e tem feito tudo o que os bolcheviques fizeram na Russia,com excessão destes assassinatos á abertas!


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


.arquivos

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Outubro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Fevereiro 2009

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

.Fotos

Há quem diga que todos os segundos da vida dos Romanov foram documentados em fotografia. Aqui ficam alguns exemplos:

.Questionário


Get your own Poll!

.Vídeos

.tags

. todas as tags

.links

.posts recentes

. O blog encontra-se agora ...

. Casamentos Morganáticos -...

. Reacção do Grão-duque Pau...

. Outros - Entrevista à Grã...

. Outros - Entrevista à Grã...

. Notícias - Mais um álbum ...

. Os Ramos da Família Roman...

. Curiosidades - Possível f...

. Filme - "Catherine, the G...

. Outros - Vitória Battenbe...

. Os Ramos da Família Roman...

. Os Ramos da Família Roman...

.Visitas

web polls easy
web polls

blogs SAPO

.subscrever feeds